segunda-feira, 6 de setembro de 2021

AS MONTANHAS E IGREJAS DE MINAS


Por Lúcio Flávio Baioneta 
 
Santuário do Caraça, aninhado entre as montanhas de Minas - Crédito: fragatasurprise.com

 
Bom dia, meu amigo(a).
As montanhas de Minas e as suas seculares igrejas estão se movimentando novamente. Escutam-se murmúrios. Passam-se códigos. Observam-se figuras furtivas que desaparecem nas brumas de suas cidades históricas. Minas é assim  silenciosa e de repente explode. Tranquila e de repente vira um vulcão! 
Seu povo é indecifrável! Faço parte dele. 
Ontem, quando eu abastecia meu carro, o frentista me perguntou: — Está indo pra Brasília, doutor? 
Eu sei porque ele me perguntou. Ele me conhece há uns 30 anos.
Eu sei também porque meus amigos de Paracatu-MG perguntaram-me : — Você vem? 
Eu sei ainda porque meus conterrâneos, que hoje moram em Brasília, me disseram : — Seu apartamento está arrumado lhe esperando. Precisamos muito de você! 
Olhei para minha velha camisa amarela e perguntei : — Vamos? 
Ela sorriu e disse : — Você ainda aguenta? 
 
Eu lhe pergunto, meu amigo(a): — Você sabe porque as montanhas e as igrejas de Minas estão se movimentando novamente? Não sabe? Eu vou lhe explicar. 
O outro nome de Minas é Liberdade. Aquela liberdade que está escrita em nossa bandeira há séculos:— “Libertas quae sera tamen”
O povo mineiro prefere a morte a viver de joelhos dobrados e de cabeça baixa. Eles só fazem isto na suas festas religiosas. Não repetem para mais ninguém. Nunca. 
Um grande abraço de seu amigo que sonha com um Brasil acima de tudo e que Deus esteja acima de todos!
Lúcio Flávio