terça-feira, 19 de março de 2019

CLUB MUSICAL RIBEIRO BASTOS


Por Francisco José dos Santos Braga

Martiniano Ribeiro Bastos (São João del-Rei, 1834-1912) - 
Crédito: Dr. Flávio Henrique da Silveira


I. INTRODUÇÃO 


O jornal são-joanense Gazeta Mineira, no Ano VIII, na edição nº 364 de 16 de setembro de 1891, página 2, registrou um concerto executado pelo Club Musical Ribeiro Bastos, na casa do professor Guilherme Barreto, quatro dias antes, em sessão extraordinária. [GUERRA, 1968, 76] menciona que "era diretor destes concertos o professor Jacinto de Almeida". 

Sobre o Club Musical Ribeiro Bastos, José Maria Neves assim se refere in Panorama musical em São João del-Rei
"(...) A orquestra possui importante coleção de manuscritos musicais, constituído principalmente de obras destinadas às celebrações religiosas de sua responsabilidade, como também inúmeras partituras de músicas de salão do final do século XIX e início do século XX, quando muitos de seus músicos tocavam para o cinema mudo.
Nesta época, a Ribeiro Bastos participou ativamente de espetáculos profanos, como a 'Festa Musical da Orquestra Ribeiro Bastos', em 1888, quando o grupo se apresentou antes de uma peça teatral. Esta prática musical acabou por propiciar a formação do Clube Ribeiro Bastos, que promoveu concertos até pelo menos 1936. Entre 1901 e 1920, o Clube organizou uma série dos chamados Concertos Populares, nos quais revelou importantes obras do repertório sinfônico e de câmara à comunidade são-joanense.
Até a primeira metade do século XX, a Ribeiro Bastos possuía orquestra e banda para atender às procissões e festas profanas. Uma desavença entre os músicos fez nascer a Banda de Música Theodoro de Faria, que assumiu os compromissos musicais da Banda Ribeiro Bastos.
A formação de jovens músicos sempre foi uma preocupação da Orquestra Ribeiro Bastos.(...) 
Fonte: https://saojoaodelreitransparente.com.br/projects/view/156 

Martiniano Ribeiro Bastos adotava como método o “aprender fazendo” dentro da orquestra, em que os mais velhos ensinavam aos mais novos – e que se mantém até hoje -; ele acolheu quem não podia estudar em escolas formais, fez de sua casa na Rua da Prata quase um abrigo para músicos, desenvolveu talentos e manteve a orquestra sempre cheia.

Entre seus muitos discípulos, destacam-se os irmãos compositores Firmino e Presciliano Silva, o compositor João Francisco da Matta, o violinista Jafé Maria da Conceição e os dois maestros que o sucederam na direção da Ribeiro Bastos, João Evangelista Pequeno (1867-1949) e Telêmaco Neves (1898-1950), este último pai da maestrina Maria Stella Neves Valle (1928-2013) e de José Maria Neves (1943-2002). 


II. TEXTO DA GAZETA MINEIRA DE 16/09/1891: CONCERTO DO CLUB MUSICAL RIBEIRO BASTOS 


No dia 13 realizou o Club Musical Ribeiro Bastos, na casa do distincto professor Guilherme Barreto, um concerto extraordinario, sendo executado o seguinte

 PROGRAMMA 

Primeira parte

D. Juan - Mozart - Quartetto de Paul Wagner - pela orchestra.
Berceuse - Melodia de Gabriel Fauré para violino, violoncello e piano, pelos srs. Japhet, Americo da Conceição e professor Jacintho de Almeida.
Il Fiorellino - Melodia de Leopoldo Mililotti - Obsequiosamente pela exma. sra. D. Laura de Magalhães.
Celebre minueto de Boccherini - Quartetto para cordas, pelos srs. Francisco Victor de Assis, Martiniano Viegas, Japhet e Americo da Conceição.
Duetto da "Gazza Ladra", pela exma. sra. d. Zica Barreto e professor Jacintho, acompanhados ao piano (obsequiosamente) pela exma. sra. d. Balbina S. Thiago.

Segunda Parte

Serenata de Widor, pela orchestra, executando a parte de piano a exma sra. d. Balbina Mourão e a de harmonium a exma. sra. d. Balbina S. Thiago (obsequiosamente).
Stella d'oro - Melodia de Luigi Denza para barytono, pelo professor Jacintho de Almeida e exma. sra. d. Balbina S. Thiago.
Fantasia para violino e piano por Georg Wichtl, pela menina d. Eugenia Ferreira e o sr. Japhet da Conceição.
Pietà, signore - Aria e coro da "Força do Destino", pela exma. sra. d. Francisca Emilia de Andrade, coro da Conceição e do club.
La Gitana - Grande valsa de Ernest Bucalossi.
Vorrei morire, pela exma. sra. d. Laura de Magalhães (obsequiosamente).

De justos applausos forão alvo todos os amadores e professores que tomárão parte neste magnifico concerto.

Si devêssemos dar conta das peças que causárão mais viva impressão, não esqueceríamos a bellissima Serenata de Widor, que é de um effeito surpreendente e que teve uma execução primorosa.

O professor Jacintho, director dos concertos, e a exma. sra. d. Zica Barreto sairão-se galhardamente do difficil duetto da "Gazza Ladra".

A exma. sra. d. Francisca de Andrade, apezar de indisposta e de haver escolhido uma aria que exige muito, não comprometteu a sua parte, que prendeu todas as attenções, e que foi muito realçada pelo effectuoso côro cantado internamente.

A exma. sra. d. Balbina S. Thiago, a amadora emerita, que conta um triumpho em cada uma das vezes, infelizmente poucas, que se exhibe, dispensa elogios que serião a repetição de quantos lhe temos endereçado, como echo de todos que a têm apreciado.

A exma. sra. d. Balbina Mourão e a menina Eugenia Ferreira agradarão tambem muito.

A orchestra mostrou-se disciplinada e de magnifico desempenho a animada valsa que fechou o programma.

Vê-se que foi uma noite deliciosa a que passárão aquelles que tiverão a dita de assistir ao concerto.

A sala é um pouco acanhada, o que não deixa de prejudicar o effeito das musicas, além de não comportar a numerosa e distincta concurrencia que affluiu ao concerto de que tratamos.

Esta folha se fez representar e bem assim a Patria Mineira e a Locomotiva pelos seus redactores, os srs. Sebastião Sette e Altivo Sette.

Após o concerto houve um chá muito bem servido.

Só temos saudações e encomios para o animado club que, unico, sustenta as tradições de nosso amor pela musica, tão vulgarisadas fóra daqui.

Além de bons instrumentos de corda e de sopro, possue esta sociedade um piano de primeira ordem.

À directoria, portanto, e aos socios todos cumpre não regatear esforços, para que um club tão bem organizado não decaia nunca e antes caminhe em crescente desenvolvimento.

A sua directoria actual é constituida pelos srs. Francisco Ferraz, Francisco S. Thiago, Francisco Chagas e Francisco Ferreira.







 III. AGRADECIMENTO


Ao Escritório do IPHAN de São João del-Rei, que colocou à minha disposição funcionários e o excelente acervo de periódicos para a realização desta pesquisa; e à minha esposa Rute Pardini Braga, pelas fotos tiradas e editadas para os fins desta matéria.



 IV. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



Gazeta Mineira: periódico são-joanense (que circulou de 1884 a 1894), no Ano VIII (1891), na edição nº 364 de 16 de setembro, página 2.

GUERRA, Antônio. Pequena história de teatro, circo, música e variedades em São João del-Rei - 1717 a 1967. Juiz de Fora: Lar Católico, 1968, 327 p.

NEVES, José Maria: Panorama Musical em São João del-Rei, in portal São João del-Rei Transparente.