terça-feira, 6 de agosto de 2013

Centenário de Nascimento do Capitão Capelão FREI ORLANDO (1913-2013)



Por Francisco José dos Santos Braga





I.  INTRODUÇÃO

Abaixo serão reproduzidos os artigos referentes a Frei Orlando, na ordem em que apareceram na Revista Verde-Oliva, Ano XL, nº 219, abril de 2013, p. 6-21, a saber: Centenário de Nascimento do Capitão Capelão Frei Orlando (1913-2013); Antônio Alvares da Silva: Infância e Vida Religiosa em São João del-Rei; Frei Orlando: A Serviço de Deus e da Pátria; A Morte do Capelão Militar Frei Orlando; O patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército; e Comemorações do Centenário de Nascimento do Frei Orlando.

Diferentemente de outras matérias publicadas neste Blog, aqui eu apenas contribuirei para a divulgação de artigos do Historiador Militar Claudio Skora Rosty, o qual colocou à disposição da Revista Verde-Oliva (uma publicação do Centro de Comunicação Social do Exército Brasileiro ¹) esse material reverenciando a memória do mártir Frei Orlando. Ceder esse espaço para divulgar o heroísmo de Frei Orlando, sob a ótica do referido Historiador Militar, foi a forma que encontrei para homenagear também o Centenário de Nascimento do Capitão Capelão Frei Orlando, o qual trabalhou em São João del-Rei durante cinco anos. Seus grandes feitos em prol dessa cidade serão lembrados nos artigos abaixo.

Esta Introdução e os Comentários ao texto são da minha autoria.



II. Centenário de Nascimento do Capitão Capelão Frei Orlando (1913-2013)


Os artigos que se seguem, referentes ao Centenário de Nascimento do Capitão Capelão Frei Orlando, têm por objetivo apresentar os feitos, a vida e a morte de um herói religioso mineiro, que se notabilizou, não só por confortar almas guerreiras, mas também as de civis, por exercer a caridade em todos os momentos e por salvar vidas, levando sempre sua palavra amiga aos companheiros, trazendo a paz de Deus e esperança em momentos difíceis na campanha da Itália, durante a II Guerra Mundial.

Esses artigos foram extraídos do trabalho desenvolvido pelo Historiador Militar Claudio Skora Rosty, oficial do Exército Brasileiro (coronel da reserva remunerada) e Chefe da Seção de Pesquisa Histórica do Centro de Estudos e Pesquisas de História Militar do Exército. O referido trabalho é fruto de pesquisas em fontes primárias, arquivos e bibliotecas, bem como baseado em relatos pessoais de seus companheiros seminaristas de Divinópolis, conhecidos das cidades de Abaeté e São João del-Rei, de amigos "febianos" do Regimento Tiradentes (11º Regimento de Infantaria) e, também, em pesquisa documental realizada no dossiê de Frei Orlando na sede provincial dos frades Franciscanos, em Carlos Prates, no Museu da Força Expedicionária Brasileira de Belo Horizonte e no Seminário Seráfico de Santos Dumont, onde estão os uniformes, medalhas e os terços do Frei Orlando.




Antônio Alvares da Silva
Infância e vida religiosa em São João del-Rei
"Eu nunca tinha visto um frade: chegaram então, em minha terra natal, três franciscanos de hábito marrom, com um capuz que achei muito engraçado, uma corda amarrada à cintura e sandálias nos pés." Frei Orlando ("História dos Franciscanos"/Riolando Azzi)
Infância e despertar para a fé

Antônio Alvares da Silva nasceu na cidade de Morada Nova de Minas, no Estado de Minas Gerais, em 13 de fevereiro de 1913, filho do negociante Itagyba Alvares da Silva (Juiz de Paz) e de Dona Jovita Aurélia da Silva.
Em homenagem recebeu o nome de seu avô por parte de pai e, no dia 18 de março, tornou-se cristão pelo batismo realizado pelo padre João Bernardino Barone, na Igreja Nossa Senhora de Loreto.
Com seus oito irmãos mais velhos, aos três anos de idade, ficou órfão de mãe e pai. Passou a ser criado e educado por seus vizinhos Sebastião de Almeida Pinho (farmacêutico) e Dona Emirena Teixeira Pinho (Dona Ninita), velhos amigos de seus pais legítimos.
De temperamento herdado do pai, ainda muito criança, demonstrava espírito brincalhão jocoso e gostava de fazer os outros rirem.
O pequeno Alvares era um filho muito estimado pelos pais adotivos. Os laços de um profundo e puro afeto os ligavam, confundindo-o dentro do lar com os filhos legítimos, os quais souberam acolher muito bem o inesperado irmãozinho, que era peralta e bem-humorado. Recebeu da nova família formação moral, sentimento de fé, piedade e obediência às leis e aos mais velhos. Tinha horror à mentira e ao desânimo, tendo, inclusive, mais tarde, adotado o lema "Gente desanimada é gente vencida".
Em 1919, fez a Primeira Comunhão, juntamente com a sua prima "Agda" na mesma igreja em que foi batizado. Aos sete anos, foi matriculado no Grupo Escolar Professor Rafael Barroso — hoje, Escola Estadual da cidade de Abaeté —, a 87 km ao sul  de Morada Nova.
Tornou-se assíduo frequentador do catecismo, repicava os sinos da matriz Nossa Senhora do Patrocínio de Abaeté e acompanhava as procissões com turíbulo incensando a todos, na intenção de bem servir à Igreja e ao vigário (Padre Mário).
Em 1922, tornou-se coroinha, primeiro grito de chamamento para as lides eclesiásticas. Sua vocação sacerdotal surgiu mesmo aos dez anos de idade quando conheceu três padres franciscanos holandeses, oportunidade que foi convidado para ir ao Seminário, em Divinópolis.
Na manhã do dia seguinte, pediu à professora (D. Maria Mourão) para sair mais cedo da aula, para pegar os cavalos, pois queria continuar os estudos em Divinópolis (172 km de Abaeté) para ser padre. Ela não acreditou. Decorridos treze anos, já como padre, voltou, procurou a professora e disse: "Peguei ou não os cavalos para ser padre."

Servo de Deus

No seminário, logo recebeu vários apelidos, por seu comportamento irrequieto e dedicado: "Antônio Merreu" e "Antônio Capela", encarando-os com espírito esportivo e zombador.
Em 5 de janeiro de 1925, aos 12 anos de idade, ingressou no Colégio Seráfico de Divinópolis (Casarão), hoje Museu Histórico de Divinópolis, para fazer o Seminário Menor (ginásio e ensino fundamental), onde recebeu formação diversificada, esportiva e recreativa.
Aos 16 anos, recebeu missiva de sua mãe adotiva informando que seu pai de adoção havia sofrido um derrame. Pela primeira vez, chorou amargamente e, em 13 de julho de 1929, o seu segundo pai veio a falecer.
Para terminar seus estudos, seguiu para a Holanda no dia 17 de fevereiro de 1931, onde ingressou na Ordem Franciscana. Fez o sexto ano do Seminário Menor no Colégio Seráfico de Sittard e, em 7 de setembro de 1931, recebeu, no noviciado em Hoogcrutz, aquele bonito hábito marrom, com o grande cordão de três nós, representante da profissão perpétua de "obediência, pobreza e castidade." Estudou, depois, em Venray, dois anos de filosofia e, no convento de Alverna, um ano de teologia, onde passou a adotar o nome religioso de "Orlando". Em Wijchem, recebeu o certificado médico autorizando seu regresso ao Brasil.
Regressou da Holanda a bordo do navio "Highland Monarch" no final de setembro de 1935. Na primeira quinzena de novembro, os sinos de Morada Nova entoaram sons fortes e repicados, anunciando o retorno de Antônio Alvares da Silva, agora como Frei Franciscano Orlando — "primeiro frei Franciscano Mineiro".
Atuante, impetuoso, ávido por aventuras e proativo para fazer caridade, ia ao encontro dos necessitados, não esperava que lhe batessem à porta.
Antônio Alvares da Silva, como clérigo, estudante de teologia do Seminário Maior Franciscano, era brincalhão, vivia sempre sorridente e gostava de pitar um cachimbo "quilométrico". Em 25 de outubro de 1936, foi ordenado Diácono no Seminário Seráfico de Santo Antônio de Divinópolis, com Dom Inocêncio Engelke.
Em 24 de outubro de 1937, dois anos após seu regresso e com 24 anos, com a presença de todos os seus irmãos, foi ordenado sacerdote franciscano no Santuário de Santo Antônio de Divinópolis, pelas mãos de Dom Antônio dos Santos Cabral, arcebispo de Belo Horizonte. Sua cela (quarto) foi ornamentada com cinco margaridas, presenteadas por suas irmãs. Cada flor representava uma delas.
No dia 1º de novembro, na Igreja São Francisco das Chagas, em Carlos Prates, Belo Horizonte, Frei Orlando celebrou a sua primeira missa, no subsolo da edificação ainda inconclusa.
Em dezembro de 1938, foi nomeado padre espiritual do Colégio Santo Antônio, da cidade de São João del-Rei, onde deu seus primeiros passos na vida sacerdotal e marcou sua vocação à caridade e aos misteres da igreja (campus Santo Antônio da UFSJ-Universidade Federal de São João del-Rei).


A vida religiosa em São João del-Rei

Ginásio Santo Antônio em São João del-Rei, MG
A cidade de São João del-Rei passou a ser para Frei Orlando como um livro aberto de arte, de história e de religiosidade.
Procurou inteirar-se de tudo. Frequentemente, era visto com sua bicicleta subindo ladeiras íngremes, ruas sinuosas, becos sombrios, ávido de melhor observar, sempre arguto, auscultando, indagando. Ia fazendo amigos, envolvendo uns, cativando outros, com seu bom humor.
Como diretor na Ordem Terceira, fez parte do Corpo Docente do Colégio Santo Antônio, onde passou a lecionar Português, Geografia e História Geral. Tornou-se um autêntico missionário da caridade, arregimentando pessoas para sua causa. Foi o criador da "Sopa dos Pobres".









Primeira construção feita nos fundos da casa
de Dr. Thales Nascimento sita na Rua da Prata.





































Havia muitas bocas e poucos eram os pratos. Por esse motivo, Frei Orlando foi ao 11º Regimento de Infantaria (11º RI) ², hoje 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (11º BI Mth), ali instalado havia mais de quarenta anos. No mesmo dia, o Boletim da Unidade publicava a relação dos militares voluntários que passaram a contribuir para socorrer a prestimosa obra assistencial.
Fundou e orientou a Congregação Mariana, formada pelos alunos do Colégio Santo Antônio, ainda em São João del-Rei.




























Por falta de vigário, em 1941, a bordo do vapor "Benévolo", Frei Orlando foi designado para pregar missões na Bahia e nas cidades mineiras de Caravelas, Alcobaça e Nova Viçosa, realizando aproximadamente cem primeiras comunhões.

 Frei Orlando a Serviço de Deus e da Pátria
Ele merece o nosso eterno agradecimento e admiração, por ter ingressado voluntariamente no Destacamento da Força Expedicionária Brasileira (FEB), afastando-se da vida religiosa que tinha em São João del-Rei. Lutou com a cruz e com a espada. Levou a fé, a caridade e o conforto espiritual aos nossos "pracinhas" e aos italianos. Honrou o hábito dos franciscanos e a farda do Exército Brasileiro.

Incorporação

No dia 25 de março de 1944, o 11º Regimento de Infantaria (11º RI) ocupou os barracões do Morro Capistrano, na Vila Militar do Rio de Janeiro, de onde saiu somente em 22 de setembro, com destino ao Velho Mundo.
Frei Orlando apresentou-se voluntariamente e foi nomeado Capelão Militar pela Portaria nº 6.785, de 13 de julho de 1944, de acordo com o Decreto nº 6.535, de 26 de maio de 1944. Abandonou sua vida pacífica do claustro, a solidão das celas franciscanas e a paz dos templos pela vida agitada e incerta das atividades militares, a fim de atender sua vontade de bem servir à causa do Brasil e ao santo mistério de Deus, na guerra. Declarou a um amigo que era uma missão que recebeu de Nossa Senhora e sabia que não iria voltar.
Na manhã de 20 de julho, surge, no acantonamento, risonho e feliz, aquele que, como Tenente da Companhia de Comando Regimental, levaria conforto e apoio espiritual aos guerreiros da FEB, empunhando apenas duas armas: um cachimbo e uma gaita, com a qual anunciava a hora de rezar o terço. Além da missão de defender a Pátria, levar aos combatentes a palavra de Deus, dava ânimo e motivação aos que se viam em desespero e até revoltados, ante o quadro de caos produzido pelo próprio homem.
Na investidura de suas funções junto à tropa, celebrou sua primeira missa para o Regimento Tiradentes, em 21 de julho, em um altar tosco de madeira construído no acantonamento do Morro Capistrano.
Quando vestiu o uniforme de capelão militar no posto de tenente, sentiu a diferença. Seu garbo e sua postura impunham respeito e só era identificado como padre pelo distintivo da cruz na gola da túnica. Ao voltar fardado a São João del-Rei, procurou cumprimentar a todos pelas ruas da cidade, com tanta alegria, que parecia despedir-se de tudo e de todos. Na missa de despedida, no Templo de São Francisco de Assis, subiu ao púlpito, falou da situação da guerra e ressaltou a sua satisfação de servir a Deus e à Pátria. "Hoje é o dia mais feliz de minha vida, completei o meu ideal: sou agora soldado de Deus e da Pátria."

A FEB na Itália

Às 11 horas do dia 22 de setembro de 1944, o navio norte-americano "General Meighs" zarpou com os "pracinhas" para a Itália. Durante o deslocamento, ficaram sabendo das primeiras vitórias do destacamento da FEB no vale do rio Serchio e o destino da viagem marítima.
Apesar de pouca convivência com todos os integrantes do "Onze", Frei Orlando já se apresentava perfeitamente entrosado com oficiais e praças. Celebrava missas e rezava o terço no tombadilho do navio. Para o Capelão, não havia obstáculos que o impedissem de realizar suas tarefas religiosas.
Certa vez, celebrou uma missão em um dos compartimentos do navio, improvisando um altar em cima dos sacos de bagagem e utilizando sua maleta de extrema-unção, que continha todo o material necessário para o culto.
No dia 6 de outubro de 1944, os "pracinhas" atracaram no porto de Nápoles. No dia 10 do mesmo mês, embarcaram para a Ternuta de San Rossore, a oeste da cidade de Pisa, lugar com espaço suficiente para abrigar até três divisões (doze mil homens), conforme era esperado pelos norte-americanos.
Depois de completamente instalada a capelania, os capelães celebraram a primeira missa em solo italiano, na capelinha construída pelos brasileiros. Terminadas as orações, — grande surpresa! —, estavam rodeados de jovens em busca de alimentos. Eram italianos famintos. Era a miséria da guerra. Frei Orlando logo se pôs a ajudar os necessitados, com mantimentos recolhidos dos "pracinhas". Deu conforto e esperança, dizendo que a guerra logo iria acabar.
Frei Orlando não perdeu tempo e, assim que pôde, com o auxílio de uma freira, organizou um asilo improvisado na cidade de Pisa. Não dispunha de outros recursos para mantê-lo, senão o de valer-se da caridade dos soldados. No asilo, eram lavadas as roupas dos soldados em troca de alimentos.
Em 22 de outubro, na cidade de Pisa, Frei Orlando rezou sua primeira missa oficial na Itália, a qual foi acompanhada por mais ou menos quatro mil soldados. Estes, em coro, encerraram a cerimônia cantando o Hino Nacional, sob o som longínquo de estrondo de canhões inimigos.
Dias depois, apareceu outro "inimigo" dos "pracinhas". Veio de surpresa, silenciosa e deslumbrante, nunca vista por muitos brasileiros. Embranquecendo as casas, as árvores, as barracas e os morros. Era a neve, que caía brandamente, transformando a paisagem panorâmica em um lindo e grande tapete branco. Também vieram com ela o frio e o "pé-de-trincheira".
Nos últimos dias de novembro, após o insucesso do primeiro e do segundo ataques da 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária a Monte Castelo, o Regimento Tiradentes foi retirado apressadamente da situação de treinamento e enviado para a frente de combate, em substituição ao I Batalhão de Infantaria/1º Regimento de Infantaria.
O II Batalhão, onde se encontrava Frei Orlando, foi o segundo a se deslocar para as montanhas dos Apeninos, chegando à localidade de Silla, onde a capelania ocupou uma velha casa no sopé da colina.
Iniciava-se o período da "Defensiva do Inverno".



A Morte do Capelão Militar Frei Orlando
"Onde não pode entrar este hábito, também não pode e não deve entrar a farda do nosso Exército."
Frei Orlando fazia questão de estar nas primeiras linhas de combate. Não se acomodava com as incertezas da retaguarda, numa posição meramente passiva. Dizia ele que nossos companheiros não podiam tombar sem assistência espiritual. Com galochões contra a neve, encapotado e com capacete de aço e fibra enterrado na cabeça, progredia deitando-se aqui e ali para ocultar-se das vistas inimigas. Fazia questão de ver de perto as nossas posições avançadas e o estado moral dos soldados. Animava-os com seu idealismo inabalável. Dupla incumbência tomara para si nos campos sangrentos da Itália: cuidar da alma dos soldados brasileiros e socorrer as famílias famintas italianas.
Em uma noite escura e ao som da macabros obuseiros inimigos, nasceu um "bambino", que foi batizado pelo capelão e passou a se chamar "Orlando Rafael". Orlando, nome do capelão, e Rafael, do comandante da Companhia de Comando Regimental. Foi o último batismo do Frei Orlando.
Frei Orlando e o Capitão Rafael Rodarte receberam cinco dias de folga para passar em Roma, ficando hospedados no hotel Excelsior, dos norte-americanos. Foram visitar o Papa Pio XII, que fez concessão especial ao Frei Orlando, autorizando-o a celebrar missa na Catedral de São Pedro.
Ao sair da Basílica de São Pedro, à porta do templo, disse ao seu comandante de companhia e amigo: "Meu caro Rodarte, penso que não voltarei ao Brasil, e se tal acontecer, quero pedir-lhe para que seja enterrado com o hábito de Franciscano e com o capuz na cabeça. Desejo, ainda, que meu altar portátil, a coleção de vida dos Papas, o meu cachimbo e a minha gaita sejam entregues aos Franciscanos de São João del-Rei."
Frei Orlando prestou, heroicamente, toda a assistência religiosa aos nossos companheiros, vítimas da guerra, no cumprimento do dever. Não se punha à retaguarda nem se conformava em ser mero expectador de um duelo. "Não posso", dizia ele completamente transtornado, "não posso permanecer distante dos que caem varados pelas balas, gritando pelos nomes de seus pais queridos!"
Frei Orlando continuava nas suas andanças pelos morros, atingindo as posições, querendo ver de perto o que se passava. Arriscou a vida por diversas vezes nessas imprudências. A fim de ser protegido dos perigos da guerra, foi deslocado para o Posto de Saúde Avançado, com o intuito de atender aos feridos que chegavam do campo de batalha. Vivia bem disposto, alegre e sempre animado e animando a todos. Dormia e acordava sorrindo, seu bom humor era contagiante.
Certa vez, nas imediações de Pisa, os oficiais o convidaram para uma "farra", e ele, dando uma baforada de seu cachimbo, para espanto de todos, aceitou. Foram se arrumar. Todos vieram fardados e, para surpresa deles, o capelão apareceu de hábito franciscano. Todos retrucaram, e ele respondeu: "Saibam os senhores, meus patrícios, que, onde não pode entrar este hábito, também não pode e não deve entrar a farda do nosso Exército."

O incidente que levou à morte Frei Orlando

Na manhã de 20 de fevereiro de 1945, véspera da conquista de Monte Castelo, Frei Orlando, depois de estar com a 4ª Companhia (4ª Cia), em Falfare, dirigiu-se ao observatório de Monte dell' Oro. Lá, manifestou ao Comandante do Batalhão o desejo de ir de Falfare até Bombiana, para visitar a 6ª Companhia (a mais bombardeada). Optou por um caminho mais curto, porém perigoso, mas o Comandante do Batalhão impôs-lhe o mais longo e seguro. Seguiu sozinho, a pé, marchou ao encontro da morte. A meio quilômetro de Bombiana, durante o percurso, encontrou-se com o Capitão Francisco Ruas Santos, que o convidou para prosseguir no seu jipe, dirigido pelo Cabo Gilberto Torres Ruas, que, juntamente com o Sargento Partigiani (membro da Resistência italiana, atuando como guia), seguiam na mesma direção. Frei Orlando, muito folgazão, ainda contou uma passagem alegre da ocupação holandesa no Brasil, dando uma de suas costumeiras gargalhadas.

"Passei pela vida sorrindo, embora tivesse motivos para chorar!"

O jipe seguia lentamente pelos caminhos esburacados para o ponto cotado 789, quando, de repente, se deteve sobre uma pedra. Todos desembarcaram e procuraram retirá-la, engastada no eixo dianteiro. O sargento italiano, no intuito de ajudar o capitão, que trabalhava na retirada com uma manivela, o fez desferindo forte pancada com a coronha de sua arma. Isto ocasionou um disparo acidental, que atingiu mortalmente o Frei Orlando. Este soltou um grito; ao mesmo tempo, levou a mão ao peito. Dando alguns passos à frente, tirou seu terço do bolso do casaco, balbuciando a Ave-Maria. O Capitão Ruas largou tudo e saiu às pressas à procura do médico do batalhão, mas já era tarde. O italiano chorava e lamentava em prantos, agarrado ao corpo do capelão.
Às 14 horas do dia 20 de fevereiro, ao som de granadas e metralhas, o corpo de Frei Orlando, vestido com o hábito franciscano e o capuz, em atenção a seu último pedido em vida, foi velado por praças e alguns oficiais na Capela de Santo Antônio de Bombiana.
Às 19 horas, durante a missa de corpo presente, seu corpo foi colocado em cima de uma padiola, no chão frio da capelinha. O Capelão Frei Orlando parecia dormir, ninguém acreditava no que aconteceu. Todos choravam a perda inesperada do frei que sonhava um dia ser missionário na China. Perdia-se assim, abruptamente, um incansável missionário, um pregador de méritos, um escritor de talento, um dedicado professor, um catequista emérito, um extraordinário confrade e um militar de escol.
Na manhã do dia seguinte, foi celebrada outra missa, com a assistência dos oficiais e praças do II/11º Regimento de Infantaria ³. Enquanto Monte Castelo era consolidado e era feita a limpeza, o corpo de Frei Orlando era transportado para o cemitério de Pistoia, onde se alinhou junto aos demais brasileiros mortos nos campos da Itália.
Foi hasteada a Bandeira Nacional no cemitério votivo de Pistoia, no dia em que Frei Orlando baixou à sepultura, aos sons de repetidos disparos da guarda fúnebre. Ao som do repicar dos sinos das igrejas de Pistoia e do triste toque de silêncio, foi-se aquele que passou pela vida distribuindo gargalhadas e conforto espiritual.
Sua missa de sétimo dia foi rezada pelo Padre Pheeney (capelão-chefe), que deu absolvição final à estola do sacerdote e ao capacete do militar, na Igreja Matriz, em Porreta Terme, a qual estava repleta de oficiais, praças e fiéis italianos.
No dia 5 de outubro de 1960, na cidade de Pistoia, na terra adotiva dos nossos guerreiros, teve início a exumação de todos os nossos soldados, cujos despojos foram transladados para o Rio de Janeiro. No dia 22 de dezembro, 451 soldados do Brasil se encerravam para sempre nos subterrâneos do Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (Pantheon dos Heróis da Pátria). Frei Orlando voltou ao seu país natal.

O Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército

"O insigne Antônio Alvares da Silva, Frei Orlando, que morreu pela Pátria e por Deus no campo de batalha italiano durante a II Grande Guerra, nasceu para a eternidade e teve seu nome imortalizado como Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREx)."
 Quando da constituição da Força Expedicionária Brasileira (FEB), Frei Orlando foi um dos primeiros a apresentar-se como voluntário, sendo nomeado Capitão Capelão do II Batalhão do 11º Regimento de Infantaria, sediado em São João del-Rei, na data de 13 de setembro de 1944. Sete dias depois, embarcou com a Força Expedicionária Brasileira para participar da II Guerra Mundial na Itália. Partiu satisfeito, pois o seu sonho era ser missionário de Cristo e do Brasil. Foi expedicionário de sua igreja e de sua pátria.
Considerou-se justo que nossos combatentes, em plagas italianas, fossem fortalecidos espiritual e moralmente pelos capelães militares. Foram assim integrados à FEB, em seus diversos escalões, trinta padres católicos e dois pastores protestantes.
Frei Orlando granjeou o respeito e a admiração de todos os integrantes de sua Unidade por seu destemor e abnegação, além da sua luta em levar o conforto e uma palavra de encorajamento aos "febianos", onde quer que estivessem. Sua presença era constantemente notada na primeira linha, como se lê em um trecho de carta que escreveu a seus familiares: "Desde que vim para a linha de frente, estou sempre no Posto de Saúde Avançado a fim de atender os feridos que chegam do campo de luta. De fato, vivo 'zanzando' por toda parte, hoje aqui, amanhã ali, dormindo ora neste, ora naquele lugar, sempre na primeira linha. Até hoje, nada sofria. Ao contrário, estou bem disposto, alegre e sempre animando a turma."
Estas palavras bem revelam a coragem e a alegria com que ele cumpria sua missão. Aliás, alegria era a sua marca registrada, cunhada por ele na célebre frase: "Passei pela vida sorrindo, embora tivesse motivos para chorar!", que bem reflete sua atitude perante as dificuldades e os obstáculos com que se deparou durante a existência.
O Tenente Gentil Palhares, companheiro de Frei Orlando no "front" italiano, testemunha fidedigna por ter convivido pessoalmente com o grande sacerdote, no livro "Frei Orlando: o Capelão que não voltou", relata mais de uma ocasião em que transparece claramente o espírito ecumênico do Patrono do SAREx. Possuir espírito ecumênico, aliás, é um dos requisitos básicos para aqueles, padres católicos romanos e pastores evangélicos, que pretendam ingressar no Quadro de Capelães Militares do Exército.
Naquela fria tarde de 20 de fevereiro de 1945, os soldados brasileiros preparavam-se para outra violenta arremetida a Monte Castelo. Os combatentes anteriores mostraram aos pracinhas da FEB o valor do soldado alemão e permitiram que se conscientizassem de seu próprio valor. Todos esperavam o dia seguinte, conservando em suas mentes a lembrança dos companheiros mortos e feridos.
No frenesi destes trabalhos, encontramos Frei Orlando, armado de seu ritual e dos santos óleos, levando conforto e coragem aos nossos combatentes.
As companhias do II Batalhão estavam ao pé do Monte Castelo, prontas para atacá-lo. Frei Orlando visitara todas, menos uma. A todo custo, queria visitá-la, queria levar o conforto de suas palavras a todo o seu rebanho, pois o dia seguinte seria o dia do ataque ao forte bastião. Foi na tentativa de alcançar a companhia que não visitara, que o Frei Orlando foi mortalmente ferido, entregando sua alma ao Criador.
Morre esse abnegado soldado-sacerdote, tornando-se um exemplo para aqueles que dedicam sua vida a levar uma palavra de ânimo aos irmãos de farda. Contava com 32 anos de idade. O boletim nº 52, do 11º Regimento de Infantaria (11º RI), de 22 de fevereiro de 1945, impresso em Docce, na Itália, registrou o passamento do capelão: "Foi recebida, com dolorosa surpresa, a notícia do falecimento do Capelão Capitão Antônio Alvares da Silva (Frei Orlando), quando se dirigia de Docce para Bombiana, a fim de levar assistência espiritual aos homens em posição, no dia 20, quando do ataque ao Monte Castelo.
O sacerdote, que desapareceu da face da terra após ter servido com pureza de sentimento à religião e à Pátria, deixa imensa saudade no seio da organização católica a que pertencia. No 11º RI, como Chefe da Capelania, conquistou a todos pelas qualidades apostólicas. No teatro de operações, nos dias de maiores atividades bélicas, jamais deixou de levar o seu conforto espiritual ou o santo sacrifício da missa em qualquer circunstância, mostrando-se, além de religioso, um forte, um bravo, um verdadeiro soldado da Cruz de Cristo."
Seu túmulo permaneceu no Monumento Nacional aos Mortos da II Guerra Mundial, Rio de Janeiro, até o ano de 2009, quando os restos mortais foram levados para São João del-Rei, por ocasião do encerramento da fase diocesana de seu processo de beatificação.
Como justa homenagem a Frei Orlando, capelão que viveu e morreu cumprindo sua missão com tanto ânimo, fé e destemor, foi-lhe outorgado, com o Decreto nº 20.680, de 28 de fevereiro de 1946, o título de Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército, e a data de seu nascimento, 13 de fevereiro, consagrada como o Dia do SAREx.
Por ocasião do centenário do seu nascimento, e em reconhecimento aos seus grandes préstimos, o Exército Brasileiro o homenageia fazendo constar a frase "FREI ORLANDO — SOLDADO DA FÉ" em todas as correspondências e ofícios durante o ano de 2013, o que vem ao encontro da iniciativa da Igreja Católica de proclamar este como o Ano da Fé, para levar seus fiéis a refletir sobre como a dimensão espiritual influencia a vida de cada um.
Ao reverenciarmos a figura ínclita do Patrono do SAREx, este sacerdote-soldado que enobrece tanto a religião quanto a Força Terrestre, queremos homenagear também todos os capelães, padres católicos e pastores evangélicos, que integram atualmente o SAREx.
Em Frei Orlando, os atuais pastores de alma da Força Terrestre têm o exemplo lídimo no qual se espelhar para realizarem com êxito a assistência espiritual, moral e psicológica que prestam aos militares e a suas famílias.


Comemorações do Centenário de Nascimento de Frei Orlando


O dia 13 de fevereiro de 2013 é especial para o Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREx), pois marca o centenário de nascimento de seu patrono, Frei Orlando, o Capelão Militar que foi à II Guerra Mundial com o objetivo de levar assistência espiritual àqueles que estavam no "front" de batalha.
As ações, os feitos e a vida deste herói militar religioso o distinguem na Força Terrestre, servindo de modelo e inspiração a todo aquele que se dispõe a desempenhar a missão de dar assistência religiosa, espiritual e pastoral aos militares.
Como forma de reverenciar o Frei Orlando, falecido no cumprimento do dever militar e religioso, o Exército Brasileiro protagonizou diversos eventos, realizados no Brasil e no exterior.

Comando Militar do Leste

No dia 19 de fevereiro, a Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército realizou, no Museu Militar Conde de Linhares, Seminário Comemorativo ao Centenário de Nascimento do Frei Orlando.
O seminário transcorreu com uma programação repleta de atividades, incluindo palestras e exposição de acervos individuais do homenageado, proporcionando aos participantes um intercâmbio cultural pela história e um aprofundamento na obra do Patrono do SAREx.
Coroando o Seminário, foi apresentado documentário contendo diversos relatos sobre a vida e os feitos do homenageado; lançado pela Biblioteca do Exército, o Prêmio Cultural Franklin Dória, que terá como tema o Patrono do Serviço de Assistência Religiosa do Exército; e o lançamento, pelo Arquivo Histórico do Exército, do Edital do Salão de Artes Plásticas sobre o "Frei Orlando - Soldado da Fé".
O evento contou com a presença de autoridades militares, de representantes do SAREx, de historiadores e estudiosos da Força Expedicionária Brasileira, bem como de participação especial de familiares do Frei Orlando.
No dia 20 de fevereiro, o Mausoléu do Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, também no Rio de Janeiro, sediou missa de ação de graças com a presença de familiares do Frei Orlando.
No dia seguinte, 21 de fevereiro, a 1ª Divisão de Exército realizou uma formatura, na capital fluminense, em comemoração ao centenário do patrono do SAREx e ao 68º aniversário da tomada de Monte Castelo — um dos maiores feitos do Exército Brasileiro durante a II Guerra Mundial.
Em 27 de fevereiro, o Arcebispo Militar do Brasil, Dom Osvino Both, celebrou uma missa campal em São João del-Rei (MG), nas instalações do 11º Batalhão de Infantaria de Montanha (11º BI Mth) e reativou a Capelania Militar Nossa Senhora de Fátima no interior do aquartelamento, nomeada agora Capelania Histórica "Frei Orlando". Estiveram presentes, o Comandante da 4ª Brigada de Infantaria Motorizada e demais autoridades civis e militares, além de parentes do Frei Orlando.
À noite, no Teatro Municipal de São João del-Rei, o Coronel Cláudio Skora Rosty proferiu palestra sobre a trajetória de vida e os inúmeros feitos do Frei Orlando, que sempre agiu imbuído de inquebrantável fé e de destemida coragem.

3ª Divisão de Exército (3ª DE)

As comemorações do centenário de nascimento de Frei Orlando foram iniciadas com celebrações religiosas na tarde do dia 19 de fevereiro: missa no Santuário Basílica Nossa Senhora Medianeira; reunião espírita no Comando da 6ª Brigada de Infantaria Blindada; e culto evangélico no Regimento Mallet.
No dia 28 de fevereiro, quinta-feira, às 16 horas, no 3º Grupo de Artilharia Autopropulsado (Regimento Mallet), foi realizada solenidade militar da Guarnição Federal de Santa Maria.

Em Países Amigos

Na Aditância de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutica do Brasil no México, as comemorações foram realizadas no dia 22 de fevereiro de 2013, oportunidade em que foi lido um resumo da vida do Frei Orlando e realizada uma missa no pátio da embaixada. Compareceram às cerimônias autoridades civis e militares, funcionários e familiares.
No dia 20 de fevereiro de 2013, na Aditância de Defesa e do Exército do Brasil no Peru, foram prestadas homenagens ao Patrono do SAREx. A atividade contou com a presença de autoridades civis e militares, do Brasil e do Peru, com respectivas famílias.
A Aditância de Defesa, Naval, do Exército e Aeronáutica em Moçambique promoveu, no dia 13 de fevereiro de 2013, com o apoio da Embaixada do Brasil, "Celebração Inter-religiosa" nas dependências do Centro Cultural Brasil-Moçambique, em comemoração ao "Centenário de Nascimento do Frei Orlando". Estiveram presentes à solenidade, representantes de diversas crenças, autoridades civis e militares e familiares.
Em Assunção (Paraguai), no dia 14 de fevereiro, foi celebrada Missa Comemorativa no auditório da Embaixada do Brasil no Paraguai, da qual participaram o Cônsul Geral do Brasil, o Adido de Defesa e do Exército, integrantes da Cooperação Militar Brasileira no Paraguai, bem como autoridades civis e militares brasileiras.

FonteRevista Verde-Oliva, Ano XL, nº 219, abril de 2013, p. 6-21.



Imagens: 8 fotografias retratando a passagem de Frei Orlando por São João del-Rei.  [Fonte: 6 banners produzidos pelo Serviço de Assistência Religiosa do Exército (SAREX)]


III.  NOTAS DE FRANCISCO JOSÉ DOS SANTOS BRAGA


¹ Quero aqui deixar registrado meu agradecimento sincero, primeiro ao Centro de Comunicação Social do Exército por ter permitido a reprodução total desses artigos, bem como pela distribuição de seis banners a instituições selecionadas pelo Exército Brasileiro, tornando possível o meu acesso às imagens postadas, referentes ao período de Frei Orlando em São João del-Rei ; depois, a Luiz Antônio Ferreira, funcionário da UFSJ, por ter-me presenteado com um exemplar da Revista Verde-Oliva que traz os artigos acima reproduzidos; além disso, sou grato a Frei Joel Postma o.f.m., responsável pelo Museu Frei Orlando no Seminário Seráfico de Santos Dumont-MG, pelas imagens que foram reproduzidas no texto; e, finalmente, também devo a Silvano João Paulo de Freitas a transposição de imagem para arquivo de texto, possibilitando a sua reprodução no Blog do Braga, como pode ser vista acima.

² Também conhecido como "Regimento Tiradentes" ou "Onze", assim considerado pela gente hospitaleira de São João del-Rei, cidade que o abriga desde 1897. Atualmente, é a Unidade Pioneira do Montanhismo Militar do Exército Brasileiro, única a desenvolver as técnicas e as táticas do combate em terreno montanhoso.

³  II Batalhão de Infantaria do 11º Regimento de Infantaria.



IV.  REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 

PALHARES, G.: Frei Orlando: o Capelão que não voltou, Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, publicação 522 (da Coleção General Benício volume 203), 1982, 214 p.

ROSTY, C.S.: Centenário de Nascimento do Capitão Capelão Frei Orlando (1913-2013), Brasília: Revista Verde-Oliva, Ano XL, nº 219, abril de 2013, p. 6-21

* Francisco José dos Santos Braga, cidadão são-joanense, tem Bacharelado em Letras (Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras, atual UFSJ) e Composição Musical (UnB), bem como Mestrado em Administração (EAESP-FGV). Além de escrever artigos para revistas e jornais, é autor de dois livros e traduziu vários livros na área de Administração Financeira. Participa ativamente de instituições no País e no exterior, como Membro, cabendo destacar as seguintes: Académie Internationale de Lutèce (Paris), Familia Sancti Hieronymi (Clearwater, Flórida), SBME-Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica (2º Tesoureiro), CBG-Colégio Brasileiro de Genealogia (Rio de Janeiro), Academia de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei-MG, Instituto Histórico e Geográfico de Campanha-MG, Academia Valenciana de Letras e Instituto Cultural Visconde do Rio Preto de Valença-RJ, Academia Divinopolitana de Letras, Instituto Histórico e Geográfico do DF e Academia Taguatinguense de Letras. Possui o Blog do Braga (www.bragamusician.blogspot.com), um locus de abordagem de temas musicais, literários, literomusicais, históricos e genealógicos, dedicado, entre outras coisas, ao resgate da memória e à defesa do nosso patrimônio histórico.Mais...

32 comentários:

Prof. Fernando Teixeira disse...

Sou-lhe grato pelo envio desta homenagem a quem ficou na história com franciscano e patriota. Abraço do amigo e recomendações para a Rute.
Fernando Teixeira

Prof. José Maurício de Carvalho disse...

Parabéns pela iniciativa. Mauricio

Silvano João Paulo de Freitas disse...

Parabéns pela justa homenagem ao nosso herói, Frei Orlando, neste centenário de seu nascimento.

Anônimo disse...

Justa e oportuna homenagem, Francisco Braga, pelo centenário do nascimento do Capelão Frei Orlando, aquele que, com sua abdicação e devoção patriótica e religiosa, só enobreceu mais, o nosso 11 RI, nossa São João del Rei, nosso Colégio Sto Antônio e, ainda, a nossa vizinha cidade de Divinópolis.

Musse Hallak

Pe. Alfredo Carrara de Melo, SDB disse...

Prezado amigo,

Parabéns pelo belo artigo sobre Frei Orlando. Muito obrigado.

Pe. Carrara, SDB

Prof. João Bosco disse...

Meu admirável escritor FRANCISCO,

AGRADEÇO SUA ATENÇÃO E VEREI OS ARTIGOS.

SEMPRE INVOCO A ALMA SANTA E SORRIDENTE DO FREI ORLANDO - EXEMPLAR CAPELÃO MILITAR E SANTO HOMEM NOS CAMPOS DE BATALHA NA ITÁLIA...

PROF. JOÃO BOSCO

Pe. Arthur Roscoe disse...

Prezado amigo Braga,
Seu artigo trouxe-me conhecimentos que ainda não tinha. Ouvi falar muito do Fr. ORLANDO, falei dele em homilias no Albergue, mas pouco conhecia a respeito dele. Só sabia que era franciscano, muito santo, muito popular. Agora, conheço-o melhor. Ainda mais com o auxílio do meu grande professor, RIOLANDO AZZI. Este ilustre professor deu aulas ótimas no Instituto Pio IX de São Paulo. De lá teve que sair porque defendia os estudantes de teologia, principalmente os mineiros, muito atormentados e perseguidos pelos superiores da época.
Saindo dali, cheio de desgosto, abandonou tudo e virou leigo. É uma pena, pois ele era realmente um grande professor.
Parabéns.
Pe. Arthur

Mário Pellegrini Cupello disse...

Prezado amigo Braga

Agradeço pelo envio do seu artigo sobre Frei Orlando, que li com muita atenção. Parabenizo ao Ilustre amigo pela belíssima homenagem que prestou a esse herói de guerra, cuja foto -- e breve biografia -- vimos no Memorial do 11 BIMth.

Cordiais Saudações
Do amigo Mario.

Desembargador Rogério Medeiros disse...

O capelão que não voltou.

Grande figura!

Rogério

Prof. José Maurício de Carvalho disse...

Parabéns! Ouvi muitas histórias de Frei Orlando na infância.
Mauricio

Silvano João Paulo de Freitas disse...

Caro Francisco,
Ficou muito legal o blog, parabéns.
Abraço,
Silvano

Prof. José Lourenço Parreira disse...

CARO AMIGO FRANCISCO, PAZ E BEM!

MEU QUERIDO AMIGO-IRMÃO, ALUÍZIO VIEGAS, ENVIOU-ME, NESTE MOMENTO, O SEU BLOG COM A TRANSCRIÇÃO DA REVISTA VERDE OLIVA.

PARABÉNS PELO TRABALHO, DIVULGANDO AS COISAS E PESSOAS DA NOSSA TERRA!

VOCÊ, DESDE OS ANOS 60, FAZ PARTE DA MINHA VIDA. LEMBRO-ME, VOCÊ E EU, LÁ NA SEDE DA SINFÔNICA, NOS DELEITANDO, FAZENDO MÚSICA: VOCÊ AO PIANO E EU, VIOLINO.

CARO FRANCISCO, AQUI EM CAMPO GRANDE FOI DADA BELÍSSIMA ÊNFASE AOS 100 ANOS DE FREI ORLANDO. O ATUAL COMANDANTE MILITAR DO OESTE, GENERAL-DE-EXÉRCITO JOÃO FRANCISCO FERREIRA, É UM GRANDE HOMEM. FOI FEITO UM PEQUENO LIVRO (LIVRETO) INSPIRADO NO QUE EU ESCREVERA, HÁ 22 ANOS, NAQUELE BOLETIM "CONVERTEI-VOS". ESSES LIVRETOS FORAM PARA BRASÍLIA, DISTRIBUÍDOS NO SEMINÁRIO EM QUE O CORONEL DA MATÉRIA DA VERDE OLIVA ESTAVA PRESENTE, E FOI ENTREGUE TAMBÉM A TODOS OS CAPELÃES MILITARES, NO RETIRO ANUAL, OCORRIDO EM ITAICI.

NO DIA 22 DE FEVEREIRO, HOUVE UMA SANTA MISSA, PRESIDIDA PELO SENHOR BISPO DIOCESANO, POR FREI ORLANDO. AO FINAL, ANTES DO COMANDANTE, FALEI SOBRE O GRANDE FRANCISCANO.

EM 27 DE JUNHO, NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA, HOUVE UMA SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM A FREI ORLANDO, TENDO SIDO ORADOR OFICIAL O SEU AMIGO VIOLINISTA DE SÃO JOÃO DEL-REI.

ESTAMOS AGORA TRABALHANDO PARA O CONCERTO EM HOMENAGEM A FREI ORLANDO, PELA BANDA DE MÚSICA DO COMANDO MILITAR DO OESTE. ESSE CONCERTO FOI PROPOSTO POR MIM. QUANDO ESTAVA NA BRIGADA ANTIAÉREA, GUARUJÁ-SP, NOS 200 ANOS DE NASCIMENTO, ELABOREI UM CONCERTO EM CONJUNTO, DA ORQUESTRA SINFÔNICA DE SANTOS E BANDA DA BRIGADA QUE SE REALIZOU NO TEATRO MUNICIPAL DE SANTOS. FOI MUITO BEM ACEITO NA BAIXADA SANTISTA. PERMITA DEUS, OCORRA MESMO AGORA!

NAS ORAÇÕES, NÃO SE ESQUEÇA DE MIM.

J Lourenço Parreira

Prof. Fernando Teixeira disse...

Frei Orlando, amigo Braga, tornou-se herói pelo simples fato de ter feito o que devia fazer: o apostolado da reconciliação. É mais que patrono da Assistência Espiritual do Exército, o seu padroeiro. Mesmo porque os heróis são, tantas vezes, também santos. Como Frei Orlando. Lembranças para a Rute.
Fernando Teixeira

Ulisses Passarelli disse...

Mais uma grande contribuição de seu labor incansável na pesquisa e revelação de nossas jóias de história e cultura. Muito bom!!!

Desembargador Rogério Medeiros Garcia de Lima disse...

OBRIGADO, FRANCISCO, PELO ENVIO DESSA PRECIOSIDADE.
MEU PROFESSOR DE DIREITO DO TRABALHO, NA UFMG (GRADUAÇÃO, ANOS 1980, DOUTORADO, 1998), GRANDE AMIGO, DE RARA INTELIGÊNCIA,TAMBÉM SE CHAMA ANTÔNIO ÁLVARES DA SILVA. É DESEMBARGADOR APOSENTADO, HOJE, DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO (MG). NASCEU EM MORADA NOVA DE MINAS, FILHO DE UM PRIMO DO FREI.
ABS.
ROGÉRIO

Prof. José Maurício de Carvalho disse...

Parabéns, Francisco, pelo cuidado com nossas boas tradições. Mauricio.

Jairo Braga Machado disse...

Prezado Francisco,

Gostaria muito de poder participar desta atividade religiosa em homenagem ao nosso querido Frei Orlando. Seu nome está ligado à história não só de São João del-Rei, como também à história do mundo. Como brasileiro, sinto-me muito honrado de tê-lo como nosso capelão maior sacrificado nos campos gelados de Docce na Itália.
No entanto, daqui das Gerais elevarei meus pensamentos para que Frei Orlando continue intercedendo por todos nós junto ao Pai.
Infelizmente, devido a compromissos de trabalho e à longa distancia não poderei estar presente.
Cordialmente ,
Jairo Braga Machado

Coronel Alan Elias da Silva disse...

Caro amigo Francisco,

Parabéns pela homenagem prestada em contribuição à Memória Nacional.

Pretendo estar em SJDR no mês de novembro. Visitaremos vocês.

Abraços.

Lembranças para a Rute.


ALAN.

Anizabel Nunes Rodrigues de Lucas disse...

Merecida homenagem. Na impossibilidade de comparecer, rezaremos daqui (de São João del-Rei), juntando as nossas preces às do nossos amigos do MATO GROSSO. Obrigada pelo convite.

Prof. Dr. Henryk Siewierski disse...

Prezado Francisco,
muito obrigado pela indicação do artigo do Coronel Claudio Skora Rosty sobre Frei Orlando. Tanto mais que tive a oportunidade de conhecer o Autor pessoalmente, que admiro como pessoa e como pesquisador.
Um forte abraço,
Henryk Siewierski

Compositor Rafael Sales Arantes disse...

obrigado, amigo...

Pianista Acadêmica Eudóxia de Barros disse...

Grata, saudações,

Eudóxia .

João Oliveira disse...

Salve, Frei Orlando! Parabéns, Braga!

Pedro Paulo Torga da Silva disse...

Obrigado por me fazer conhecer um pouco da história de Frei Orlando. Alguém já está pensando num processo de beatificação dele? Acho que tem muitos subsídios. Abração para você, Rute e todos amigos daí.

Lúcio Flávio Baioneta disse...

Meu caro amigo,
Frei Orlando faz parte daquela frase inscrita no pedestal da estatua de um pracinha em Sete Lagoas:- "atravessei os mares, lutei e morri p/ defender a liberdade de meus irmãos brasileiros".
Um grande abraço do Lucio Flávio

Frei Arlaton Luiz Soares de Oliveira, o.f.m. disse...

Boa noite F. Braga, paz e bem!

Acabo de chegar da missão no Rio das Mortes. Assim que puder, começarei a divulgar os textos no site de nossa província e com toda certeza publicarei em nossa revista.

Espero estreitar nossos laços daqui para frente, com o intuito de mostrar a história do ilustre Frei Orlando.

Abraços fraternos,
Frei Arlaton

Prof. Fernando Teixeira (professor universitário, escritor e Secretário Geral da Academia Divinopolitana de Letras) disse...

É sempre bom lembrar figuras como Frei Orlando. Faz-se a história de criaturas raras. E Frei Orlando foi uma delas. Obrigado pelo envio. Recomendações à esposa. Abraço do confrade Fernando Teixeira.

Prof. José Lourenço Parreira (violinista, professor, regente e escritor) disse...

Caríssimo Braga, você, com sua rara sensibilidade, fez publicar, neste ano, numa Revista da nossa São João, a Carta de Frei Orlando, antes do Natal.
Entreguei o referido documento para o General Ferreira, que era o Comandante Militar do Oeste, no ano Centenário de Frei Orlando, no qual, não por minha competência, mas por vontade de Deus, estive no seu epicentro.
Por estar no epicentro, pude indicar o seu nome para receber a bela Medalha, hoje relíquia, cunhada nos EEUU. Ao entregar a Revista para o General, fi-lo no intuito de o General saber que a Medalha que foi conferida, não foi "pérola aos porcos": você a merece!
Amanhã, no EAQ, devo falar a seu respeito.
Lourenço

Benjamin Batista (cantor lírico, escritor e Presidente da Academia de Cultura da Bahia) disse...

Belo resgate. Vultos iguais a Frei Orlando não devem ser esquecidos.
Parabéns pela iniciativa.
Abraços
BB.

José João Bosco Pereira (professor, poeta e trovador) disse...

Francisco Braga,

Sempre tenho comigo a oração de Frei Orlando. É de bom coração, orar pedindo sua intercessão.

ORAÇÃO A FREI ORLANDO

Ó Deus, infinitamente bondoso, nos consolaste aos que conheceram Frei Orlando, fortalecei a esperança, aumentai a caridade e inflamai a fé de todos os que invocarem Frei Orlando. Especialmente, nós vo-lo pedimos a graça..., que desejamos para que possamos ver na amizade de Deus e viver uma vida cristã autentica e uma boa morte. Amém.
Pai Nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai...


Amara sem interesse.
Frei Orlando soube rir.
Embora muito sofresse,
Aos soldados, fez sorrir.

AO FREI ORLANDO

Morada Nova tem mineiro franciscano!
A todos sorriam devido às suas piadas.
E o capelão ama pobre e o pequeno
Seu rosto rima com muitas risadas

Mostrou que o calor da amizade
Vale muito e enaltece o coração.
Viveu o evangelho na sinceridade:
A todos dava a palavra de irmão.

Aos soldados, na solidão, sua presença
agia solícito qual anjo da guarda.
Era riso a preencher do lar a ausência

Sua farda mortalha sagrada
Sua ternura sublime lembrança
De uma vida hóstia consagrada.

José João Bosco Pereira

Bruno Nascimento Campos (historiador, escritor, gerente do blog Zimeose: Um dedin di prosa... e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei) disse...

Caro Braga,
Obrigado pelos ótimos textos!

EVN Advocacia disse...

Grato pelo envio da excelente crônica histórica de Frei Orlando. Uma peça antológica.