terça-feira, 1 de março de 2016

FUNDAÇÃO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SÃO JOÃO DEL-REI EM 1º DE MARÇO DE 1970


Por Francisco José dos Santos Braga


I.  INTRODUÇÃO


Neste 46º aniversário, o IHG de São João del-Rei tem a apresentar ao povo são-joanense uma extensa lista de inumeráveis serviços prestados. Inicialmente, cabe ressaltar que o IHG, por decreto do saudoso Prefeito Octávio de Almeida Neves, é o órgão consultivo da Prefeitura para vários assuntos, dentre os quais se destaca a prerrogativa de propor nomeação de ruas, praças e quaisquer logradouros. Embora nos últimos tempos não tenha exercido essa prerrogativa a contento por disfunção da Câmara Municipal, essa prerrogativa continua sendo do IHG, atuando como órgão consultivo à disposição do Prefeito. Além desse, muitos outros serviços especializados podem ser prestados pelo IHG à Municipalidade.

A fundação do IHG são-joanense parece ter sido uma motivação de alguns são-joanenses ilustres quando sentiram que a demolição da capela do Senhor Bom Jesus do Matosinhos era não só uma ameaça mas uma dura realidade, necessitando arregimentar todos quantos quisessem esboçar uma reação a esse projeto inepto. O Documento 6 abaixo dá a dimensão do clima de insatisfação dentro do IHG diante da demolição já em andamento na ocasião, vendo-se a diretoria da entidade na obrigação de dirigir-se ao Bispo Dom Delfim Ribeiro Guedes, já que tinham sido infrutíferas as gestões junto ao pároco Padre Jacinto Lovato, sendo ambos os prelados já falecidos. Afiguravam-se aos autores do documento ao Bispo como possíveis o estrago ou a perda irreparável da portada em meio à demolição em andamento, por falta de zelo do vigário, já que a demolição era, àquela altura, irreversível. Além de pedirem que se evitasse a danificação da portada, solicitavam também a mediação do Bispo para que ela não fosse alienada a terceiros, o que acabou infelizmente acontecendo. Portanto, mal tinha sido instalada a entidade, já acontecia o "batismo de sangue" do IHG no campo de lutas (resgate da portada da capela; comemoração dos 300 anos da existência do Arraial Novo de Nossa Senhora do Pilar; caminhada de Taubaté-SP a São João del-Rei), desafios (projeto "Trem das Águas Santas", parceria na Capital Brasileira da Cultura-2007, etc.), convocação da comunidade (resgate da portada da capela) e movimentos cívicos ("Não acabem com o trem!", "Ninguém tira o trem daqui!"  e "Salvem o trajeto de São João a Tiradentes!"). As citações anteriores são apenas exemplificativas, não abrangendo a totalidade das iniciativas do IHG.

Os Documentos 1 e 2 abaixo dão notícias acerca da fundação do IHG: os assuntos que foram tratados na sessão solene e a eleição da primeira diretoria.

O Documento 5 abaixo traz trecho da ata do IHG de 3 de maio de 1970, com algumas iniciativas do presidente Fábio Nelson Guimarães, que já tinha registrado a entidade como pessoa jurídica e tinha conseguido que um Vereador apresentasse a proposição que concedia ao Instituto a condição de entidade de utilidade pública.

O Documento 2 abaixo informa que eram 20 sócios fundadores originários e que estavam presentes 16 deles. No Documento 4 somos informados de 18 nomes de sócios fundadores, dos quais apenas Tiago Adão Lara continua vivo, tendo o Monsenhor Sebastião Raimundo de Paiva falecido há dois anos atrás.

O Documento 3 abaixo antevê grandes dificuldades que o IHG iria vivenciar no futuro, devido ao desinteresse de muitos cidadãos capacitados a abraçar a causa do IHG ou por causa da indiferença de grande parcela da população são-joanense.

Acho que essas eram as informações gerais que poderiam elucidar eventuais dúvidas do leitor. Agora, é melhor deixar que os documentos falem por si.

Será respeitada a grafia de época dos documentos.
Sede do IHG de São João del-Rei na casa mais antiga



II.  DOCUMENTOS QUE TRATAM DA FUNDAÇÃO E DO INÍCIO DO IHG



Documento 1: FUNDAÇÃO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE SÃO JOÃO DEL-REI EM 1º DE MARÇO DE 1970



Realizou-se dia 1º de março, a solene instalação do Instituto Histórico e Geográfico, no salão nobre da Prefeitura, com a presença do Prefeito Municipal, Dr. Milton de Resende Viegas, de representante do Comandante do 1º/11 R. I., representantes da Loja Maçônica local, Presidente da Associação dos Ex-Combatentes, jornalistas e outras autoridades.


O Presidente abriu a sessão, fazendo uma invocação a Deus. A seguir leu o compromisso de honra, ao qual todos os sócios fundadores do Instituto, de pé, responderam "prometo", compromisso solene, que será repetido sempre que houver admissão de novo sócio, e feito por êste, com a mesma solene formalidade.

A sessão durou pouco mais de uma hora, tendo feito uso da palavra os oradores inscritos, o Gen. Carlos Campos e o Dr. Altivo de L. Sette Câmara, ambos são-joanenses, o primeiro sendo neto de um herói da Guerra do Paraguai, que participou da batalha do Riachuelo, e o segundo é filho do republicano histórico, Prof. Sebastião Rodrigues Sette Câmara, fundador e redator de "A Pátria Mineira", que circulou em S. João, de abril de 1889 a maio de 94.

O Gen. Carlos Campos discorreu, resumidamente mas com clareza e proficiência, sobre três fatos históricos ocorridos na data de 1º de março: a fundação do Rio de Janeiro, por Estácio de Sá, o fim da Guerra do Paraguai e o fim da Revolução Farroupilha.

O Dr. Altivo de L. Sette Câmara, lembrando que transcorre este ano o centenário do primeiro manifesto republicano (1870) e o 250º da separação de Minas da então Capitania de São Paulo e Minas do Ouro (1720), em dezembro, fêz inicialmente um relato sumário da propaganda republicana na imprensa de Minas e em S. João.

Ao concluir a segunda parte da sua exposição, que versou sobre a construção do chamado "Caminho Nôvo", solicitou que constasse em ata a sua homenagem à memória do filho primogênito de Fernão Dias, o também bandeirante Garcia Rodrigues Pais, que construiu para Minas e para o Brasil, a grande estrada do Rio de Janeiro a Sabará e Ouro Prêto, que é, com algumas variantes, o mesmo caminho percorrido hoje pelas locomotivas e composições da E. F. Central do Brasil, estrada aquela feita à custa de Garcia Pais, em 5 anos, há cerca de três séculos atrás, e que concorreu decisivamente para a mudança da capital do país, da Bahia para o Rio, e para a separação de Minas, da então Capitania de São Paulo e Minas do Ouro (1720).

Pelo Instituto Histórico e Geográfico, na sessão solene inaugural, foi prestada uma única e especial homenagem, "singela mas expressiva, pela sua absoluta sinceridade", ao decano dos historiadores são-joanenses, o Dr. Augusto das Chagas Viegas, autor de "Notícia de S. João del-Rei", ao qual foi oferecido, (na pessoa do seu sobrinho, o Dr. Milton R. Viegas, por se encontrar em viagem o homenageado) um grande e belo ramo de rosas, entregue pela primeira aluna de História e Geografia, do Colégio N. Sª das Dores. Ficou assim associada a juventude estudiosa são-joanense ao Instituto Histórico, no dia da sua solene instalação, como prova do interêsse da instituição, em concorrer, desde o seu início, para a elevação do nível cultural da mocidade e sua participação ativa em festividades dêste tipo, aprimoradoras da sua educação moral e cívica.

Fêz o elogio do homenageado o Vice-Presidente do Instituto, Dr. Altivo de L. Sette Câmara, que afirmou ser o venerando historiador "autor da mais importante e completa História desta antiga Cidade, escrita até hoje, sendo ainda o homenageado o mais ilustre sócio-fundador do Instituto".

Destacou ainda "a personalidade do mineiro insigne, Augusto das Chagas Viegas, homem de bem e cidadão exemplar". Terminou com as seguintes palavras: "Senhor Presidente — requerido que esta homenagem e as palavras com que a encaminho, constem da ata desta sessão solene, ad perpetuam rei memoriam— para perpétua lembrança do fato."

Foram ainda lidas as diversas efemérides, do dia 1º de março, pelo historiador Sebastião de Oliveira Cintra, tendo também falado o Presidente do Instituto, Prof. Fábio N. Guimarães, sobre o 6 de março, elevação de S. João del-Rei à categoria de Cidade (Lei Provincial nº 93, de 6-3-1838).

Franqueada a palavra às autoridades, falou o Prefeito, Dr. Milton R. Viegas, que, em vibrante improviso, enalteceu a fundação do Instituto, agradeceu em nome do ilustre autor de "Notícia de S. João del-Rei" a homenagem que lhe fôra prestada, e confirmou sua intenção de continuar a dar o seu melhor apoio à nova instituição.

A sessão solene foi encerrada com a execução, pela Banda Municipal, do Hino Nacional, que foi cantado por todos os presentes.

Fonte: A COMUNIDADE, órgão da Prefeitura Municipal de São João del-Rei, Ano III, nº 20, edição de março de 1970, p. 7.



Documento 2: FUNDADO O INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO

No dia 15 uma reunião preparatória estabeleceu a data de hoje, 1º de março, para a instalação formal do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, entidade que se destina a estimular, desenvolver e proteger de maneira organizada tôdas as atividades relacionadas com a Geografia e a História, desde a pesquisa até a literatura especializada, notadamente quanto aos assuntos desta região e do município.

Presentes 16 dos 20 sócios fundadores, foram discutidos os anteprojetos dos estatutos, elaborado e aprovado o seu texto, elegendo-se então a primeira diretoria, que tem a seguinte constituição:


Presidente — Prof. Dr. Fábio Nelson Guimarães
Vice-Presidente — Dr. Altivo de Lemos Sette Câmara
1º Secretário — Capitão Astrogildo de Assis
2º Secretário — Prof. Esaú de Assis Republicano
1º Tesoureiro — Tenente Sílvio de Araújo Padilha
2º Tesoureiro — Sr. Geraldo Guimarães
Bibliotecário — Tenente Gentil Palhares

Na manhã de hoje está sendo realizada a sessão solene de fundação, no salão nobre da Prefeitura Municipal, com a presença das autoridades municipais estaduais, federais e religiosas, esperando a nova instituição o comparecimento de grande número de interessados.

O Instituto Histórico e Geográfico é o 5º a ser fundado em Minas Gerais e se dispõe a realizar trabalho sério em benefício das suas finalidades principais, sendo certo que vai polarizar todo o movimento cultural especializado, entrando imediatamente em contato com as instituições congêneres de Minas e de outros estados.

Segundo estamos informados, trata-se de organização que tem como objetivo aglutinar todos os esforços locais ligados às duas ciências.

O povo espera que o IHG seja elemento fundamental para a criação dos cursos de Geografia e História na Faculdade de Filosofia, entre outras iniciativas que poderá sugerir em benefício do desenvolvimento da cidade.

Fonte: PONTE DA CADEIA, Ano III, nº 141, edição de 1º de março de 1970, p. 1.


Documento 3: INSTITUTO TERÁ TRABALHO

Como entidade especializada, o Instituto Histórico e Geográfico terá muito trabalho e poderá prestar serviços de importância à cidade.

A sua instalação no dia 1º de março contou com a presença de autoridades e de uma parcela mínima do povo, ausentes como sempre aqueles que deviam dar o exemplo de comparecer, isto é, os que exercem as chamadas profissões liberais, os médicos, advogados, engenheiros, professores, escritores, jornalistas, artistas, padres e outros.

Como sempre, não compareceram, com exceção do dr. Mário Monteiro, presidente do Lions, do engenheiro José Luiz Amarante, membro do Rotary, e do jornalista Adenor Filho, do PONTE DA CADEIA. Algum outro que esteve na reunião representava uma entidade de classe, uma corporação, uma autoridade.

Falaram na instalação o professor Fábio Nelson Guimarães, presidente do Instituto, o dr. Altivo de Lemos Sette Câmara, vice-presidente, o general Carlos de Oliveira Ribeiro Campos, membro do conselho e o prefeito Milton Viegas.

O prefeito ofereceu os préstimos da municipalidade, mostrou a sua compreensão a respeito da criação do Instituto e disse que êle pode prestar numerosos serviços especializados, defendendo também o patrimônio comum de riquezas artísticas e históricas, descobrindo a verdade e criticando versões que nem sempre a ela correspondem na nossa história.

O redator do PONTE DA CADEIA ofereceu ao presidente Fábio Guimarães uma coluna permanente para utilização do Instituto neste jornal, que divulgará oficiosamente tôdas as atividades da organização.

Fonte: PONTE DA CADEIA, Ano III, nº 144, edição de 22 de março de 1970, p. 4.


Documento 4: [CINTRA, 1982, 103-4] assim noticia a fundação do IHG local: 
"No Salão Nobre da Municipalidade realiza-se a solene instalação do Instituto Histórico e Geográfico de S. João del-Rei, cujos sócios-fundadores são os seguintes: Fábio Nelson Guimarães, Altivo Sette, Sebastião de Oliveira Cintra, Sebastião Raimundo Paiva, Carlos de Oliveira Ribeiro Campos, Luiz de Melo Alvarenga, Gentil Palhares, João Batista Lopes de Oliveira, Astrogildo Assis, Sílvio de Araújo Padilha, João Adalberto de Assis Viegas, Esaú de Assis Republicano, Lucila Césari, Augusto das Chagas Viegas, Djalma Tarcísio de Assis, Adenor Simões Coelho, Onésimo Guimarães e Tiago Adão Lara."



Documento 5: NOTÍCIA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO
Ata da sessão realizada dia 3 de maio

No dia 3 de maio de 1970, no salão nobre da Prefeitura Municipal, o Instituto Histórico e Geográfico de S. João del-Rei realizou sua sessão ordinária mensal, sob a presidência do Dr. Fábio Nelson Guimarães. (...) O Presidente comunicou que o "Minas Gerais" de 15 de abril, publicou o extrato do Estatuto, depois do que registrou a entidade no Cartório de Títulos e Documentos, como pessoa jurídica, sob o nº 7921, protocolo nº 7144, no Livro B 13, fls. 18/82. Mencionou que o Sr. Vereador José Demétrio Campos, em reunião de 24 de abril, apresentou na Câmara Municipal proposição que concede ao Instituto a condição de entidade de utilidade pública. (...)

Fonte: PONTE DA CADEIA, Ano III, nº 151, edição de 10 de maio de 1970, p. 3.


Documento 6:  O INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO E A IGREJA DE MATOZINHOS

A diretoria do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, considerando que a Igreja do Senhor Bom Jesus de Matozinhos não está tombada, e a sua preservação dependeria exclusivamente da boa vontade dos interessados, remeteu a 7.5.70 ofícios ao vigário da paróquia, pedindo-lhe sustar a demolição e "aguardar uma decisão ulterior", providências do Instituto junto ao Ministério da Educação e Cultura. Não sendo atendida, e face ao adiantado da demolição oficiou em 20.5.70 ao Revmo. Bispo Diocesano, ofício que passamos a transcrever:

"Vimos respeitosamente à presença de V. Revma. a fim de lhe solicitar encarecidamente e com o maior empenho, a providência de reiterar ao respectivo vigário, que evite o estrago ou a perda irreparável da portada da Igreja de Matozinhos, obra de talha em pedra sabão, que possui inequívoco e evidente valor artístico e arquitetônico, e cuja retirada teve início hoje. Segundo se diz, será guardada nesta diocese, por ordem do vigário. Aproveitamos para informar ter chegado ao nosso conhecimento que a cruz de ferro trabalhado, existente no frontispício do templo, em virtude da demolição deste, permaneceu inclinada, durante dias, em equilíbrio instável, à vista de todos, como tivemos pessoalmente oportunidade de verificar, e acabou tombando da altura, juntamente com o frontão, podendo-se presumir tenha ficado inteiramente danificada.

Informamos ainda que as portas e janelas, e todo o madeiramento interno, e as paredes, estavam em perfeito estado, tendo oferecido grande resistência à demolição, sendo inclusive necessário o uso de tratores, para pô-las abaixo.

Com o devido respeito à pessoa de V. Revma., e a suas prerrogativas, ponderamos que, se as autoridades eclesiásticas têm o direito de demolir e alienar igrejas, em alguns casos, (ou pelo menos nêste), só levando em conta o aspecto utilitário da demolição, tratando-se entretanto de um templo como o de Matozinhos, entendemos que a demolição poderia ter sido feita sem maior agravo ao sentimento das pessoas moralmente sensíveis, e sem prejuízo também do patrimônio histórico e artístico de S. João del-Rei.

Como recordação   talvez única — que restará da Igreja do Senhor Bom Jesus de Matozinhos, e, principalmente, por ter a portada de pedra sabão inegável valor artístico, que a torna parte do patrimônio cultural da nação brasileira, reiteramos a V. Revma. o pedido de empenhar-se no sentido de acompanhar a sua retirada, de modo a que se evite a danificação ou sua alienação a terceiros.

Certos de eficaz providência da parte de V. Revma., que o credenciará ao reconhecimento geral, em nome do povo de São João del-Rei, nesta emergência representado pelo seu Instituto Histórico e Geográfico, renovamos os protestos de respeitosa estima e elevada consideração.
(Ass.) Fábio Nelson Guimarães, Presidente
Altivo de Lemos Sette Câmara, Vice-Presidente"

Fonte: PONTE DA CADEIA, Ano III, nº 154, edição de 31 de maio de 1970, p. 3.



III.  OBRAS CONSULTADAS


A COMUNIDADE: Ano III, nº 20, edição de março de 1970.

PONTE DA CADEIA: Ano III, nº 141, edição de 1º de março de 1970; idem, nº 144, edição de 22 de março de 1970; idem, nº 151, edição de 10 de maio de 1970; idem, nº 154, edição de 31  de maio de 1970. 

CINTRA, Sebastião de Oliveira: Efemérides de São João del-Rei, Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1982, 2 vol., 622 p.


IV.  AGRADECIMENTO


Gostaria de enaltecer o gesto amistoso e colaborativo da confreira Profª Betânia Maria Monteiro Guimarães, a qual se dispôs a emprestar caderno de recortes de notícias de jornais de 1970, do acervo de saudoso presidente Fábio Nelson Guimarães, para a confecção do presente trabalho.

17 comentários:

José Antônio de Ávila disse...



Fundado em 01 de março de 1970 (HÁ 46 ANOS!), já em 07 de maio do mesmo ano os membros do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei - MG tiveram seu "batismo de fogo": posicionaram-se destemidamente e publicamente contra a derrubada da primitiva Igreja do Sr. Bom Jesus de Matosinhos, tendo sido aprovado o “mais veemente protesto quanto à demolição” daquele que era um bem cultural tombado em nível federal através do processo nº 68-38/SPHAN, inscrito no Livro do Tombo de Belas Artes, Vol. 1, fls. 2, em 04 de março de 1938.

José Antônio de Ávila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Francisco José dos Santos Braga (compositor, pianista, escritor, gerente do Blog do Braga e do Blog de São João del-Rei) disse...

Tenho o prazer de colaborar para o Blog de São João del-Rei com uma matéria que oferece seis documentos que tratam da instalação do IHG-SJDR, dando conta das enormes dificuldades já presentes nos primeiros passos da entidade.
Valorosos são-joanenses se uniram para realizar o sonho de dotar a Municipalidade de um órgão que a defendesse de arroubos demolidores e modernistas, buscando preservar o seu projeto arquitetônico, paisagístico e artístico à luz da História e da Geografia.
Rememorar os seus feitos contribui para não deixar morrer essa entidade que tanto benefício trouxe à Municipalidade.
Francisco Braga

ACADEMIA LAVRENSE DE LETRAS All disse...

Nas comemorações de fundação do notável IHG de São João del-Rey, saudamos seus integrantes e rememoremos os fundadores na pessoa de meu querido amigo e conterrâneo Tenente Gentil Palhares, que a mim mostrou o caminho da vitória. São 46 anos de glória e trabalho do nosso IHG, um marco na formação do homem mineiro.

Passos de Carvalho,Jornalista
Presidente da Academia Lavrense de Letras

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo e pelo seu trabalho de resgate, preservação e divulgação da memória histórica, cultural e literária de Sã João del-Rei. Suas pesquisas contribuem, certamente, como fonte relevante para outras pesquisas. Nilo

PAULO JOSÉ - PAJO (Paulinho) disse...

Nobre confrade Francisco Braga,

Nas comemorações do 46º aniversário do IHG de SJDR vimos com alegria cumprimenta-los e felicita-los, com votos de que a sólida base construída no resgate, preservação e promoção da memória histórica e geográfica, aliada à cultura e arte em prol de nossa sociedade, em especial, com a participação de ilustres formiguenses, seja a mola propulsora do pleno sucesso do Instituto, em longos anos vindouros.
Parabéns à todos os que construíram e constroem esse importantíssimo instrumento quer fortalece a sociedade.
Att.,

Paulo José de Oliveira – Presidente
ACADEMIA FORMIGUENSE DE LETRAS – AFL
CLUBE LITERÁRIO MARCONI MONTOLI - CLMM

Ofélia de Lanna Sette Torres (ex-professora universitária da EAESP-FGV e artista plástica) disse...

Francisco Braga,
Parabéns pelo excelente histórico sobre a Fundação do Instituto Histórico e Geográfico de São João del Rey.
tendo parentesco com membros da família Sette Câmara .incluindo minha avo Cesarina Sette Câmara que estudou em São João del Rey, gostaria de ter oportunidade de conhecer atividades atuais do Instituto.
Ofélia de Lanna Sette Torres

Prof. Mário Celso Rios (escritor, conferencista e presidente da Academia Barbacenense de Letras) disse...

Braga, importante sua luta por manter de pé esse memorável projeto de preservação de uma identidade que é o IHGSJDR!
Avante!
M. CELSO ABL

Benedito Franco (cronista e escritor) disse...

Parabéns! Em toda cidade deveria ter um IHG. Lutar também para relembrar seus filhos ilustres e até mesmo heróis ou folclóricos, colocando seus nomes em logradouros, avenidas e ruas de sua cidade. Muitas vezes preferem nomes de pessoas estranhas à cidade. Ex: No Rio. Av. Presidente Wilson, exatamente onde está a Academia Brasileira de Letras...
Na minha terra, Fabriciano, derrubaram a antiga estação para aumentar uma praça desnuda...


BFranco

Prof. Fernando Teixeira (professor universitário, escritor e Secretário Geral da Academia Divinopolitana de Letras) disse...

É importante rememorar o valor de instituições deste gênero.
Abraço do Fernando Teixeira

José Passos de Carvalho (jornalista, escritor e presidente da Academia Lavrense de Letras) disse...

Prezado Presidente do IHG de São João del-Rey
Jornalista José Cláudio Henriques

No dia 01 de março de 1970 esse progressista município tomava conhecimento da fundação do Instituto Histórico e Geográfico, uma entidade aguerrida na preservação da nossa história, independente na pesquisa e transparente no culto aos nossos fatos e figuras que enalteceram Minas Gerais.
46 anos de glória e respeito do povo mineiro, entidade que acolhe o saber, a dignidade e o respeito.
Parabéns pela data, externando ao nobre presidente nossos cumprimentos, extensivamente aos demais membros que integram a instituição na certeza de ser um pilar na continuidade histórica.

Cordialmente,
Passos de Carvalho

Maria Lúcia Vilela (ex-diretora de escola fundamental pública, joalheira e comerciante) disse...

Você sempre colaborando para deixar um mundo melhor.

Abs, Lúcia

Nilton Gomes Paz (ex-professor da EAESP-Fundação Getúlio Vargas, consultor financeiro e empresário) disse...

Oi, Francisco,
Primeiro um grande abraço pra vocês.
Pelos comentários e matéria lida, me alio aos seus confrades, em
parabenizá-lo pelo esforço na manutenção da vitalidade do IHG-SJDR.
Pela experiência que tenho em participar de algumas organizações de
cunho sócio-cultural, sempre entro consciente que está destinada a
alguns abnegados a tarefa de carregar o piano.
A manutenção e avaliação da história em qualquer de suas abordagens, é
de relevante importância ao desenvolvimento social.
Meus parabéns, e aprendi coisas novas na leitura das anotações da função.
Teus registros contribuirão "ad perpetuam rei memoriam."
Aguardamo-vos.
Atte.
Nilton Gomes Paz

Dr. José Egídio de Carvalho (vice-presidente da ACI e vice-presidente da Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

Momento importantíssimo na história da preservação do patrimônio.

Gde Abç, caro amigo.

Betânia Maria Monteiro Guimarães (ex-professora da UFSJ, escritora, membro do Instituto Histórico e Geográfico e secretária da Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

Prezado confrade Francisco
muito bom recordarmos os primeiros momentos, os feitos e os desafios do nosso IHG, especialmente em data de seus 46 anos! Ocasião para nos recarregarmos da energia, do espírito e das lembranças de seus primeiros sócios para continuarmos buscando seus objetivos. Recordar envolve também nosso coração, certamente.
Abraço, Betânia

Rute Pardini (cantora lírica e bacharel em canto lírico pela UnB) disse...

Aceite meus parabéns, meu amado!
Você merece ser reconhecido nesta cidade e além dessas serras das Gerais!
Beijos mil!!!
Te amo eternamente!
Rute

José Passos de Carvalho (jornalista, genealogista, escritor, presidente da ALL-Academia Lavrense de Letras e membro correspondente do IHG de São João del-Rei e da AFL-Academia Formiguense de Letras) disse...

Nesta data (de 1º de março de 2017), abraço carinhosamente aos amigos, Presidente e demais diretores do nosso querido IHG pela passagem dos 47 anos de abnegação, trabalho, independência, transparência e fertilidade histórica.

Parabéns Senhor Presidente pela atuação frente nosso IHG. Sucesso hoje e sempre!

Do sócio correspondente,

Passos de Carvalho