domingo, 3 de julho de 2016

HOMENAGEM PÓSTUMA AO HISTORIADOR FÁBIO NELSON GUIMARÃES (1932-1996)


Por Francisco José dos Santos Braga

I.  INTRODUÇÃO



Durante a reunião ordinária nesta data de 03 de julho de 2016, na "Sala Fábio Nelson Guimarães", onde normalmente são realizadas as reuniões na sede do Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, o presidente José Cláudio Henriques relembrou o passamento do sócio-fundador do nosso Instituto, o saudoso Fábio Nelson Guimarães, ocorrido há 20 anos atrás, mais exatamente no dia 1º de julho de 1996. Nesta data de hoje, fomos premiados com a presença honrosa do presidente da ALL-Academia Lavrense de Letras, jornalista José Passos de Carvalho, e do 2º Tenente Magalhães, representante do 11º Regimento de Infantaria de Montanha. Fomos todos os confrades surpreendidos com uma preciosa doação, pelo presidente da ALL, de um Livro de Atas referente à fundação do 8º Batalhão de Polícia Militar, de Lavras, com documentos e lançamentos de 1932 a 1953.

A referência pelo presidente do nosso IHG feita a Fábio Guimarães, esse grande vulto são-joanense, incentivou-me a fazer alguma homenagem para reverenciar-lhe a memória. Pesquisando o seu caderno preto de recortes de jornais, colados sequencialmente e selecionados conforme a sua ordem de importância, decidi falar aqui de dois momentos de sua vida, que o Blog de São João del-Rei se esmera em divulgar para motivar novos pesquisadores a empreender uma viagem maravilhosa através de suas obras imortais, que foram muitas. Os dois momentos que aqui serão retratados se referem à sua posse na presidência do C.A.C.-Centro Artístico e Cultural de São João del-Rei em junho de 1962 e à sua admissão no Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, na categoria de sócio correspondente em setembro de 1962.

Como as matérias selecionadas pelo historiador estão coladas em páginas do caderno preto, provavelmente todas extraídas do jornal "Diário do Comércio", onde Fábio Guimarães era permanente colaborador, ele fez questão de, logo abaixo do recorte, assinalar a respectiva data da notícia. É também da mesma forma que será referenciada a notícia fornecida pelo historiador. 

Em geral, essas curtas matérias eram extraídas da "Coluna do CAC", espaço dedicado pelo Diário do Comércio à instituição artístico-cultural que gozava de grande prestígio junto àquele periódico são-joanense.

Foi rigorosamente observada a grafia de época.



II.  RECORTES SOBRE OS PREPARATIVOS E O EMPOSSE DE FÁBIO NELSON GUIMARÃES NA PRESIDÊNCIA DO C.A.C., BEM COMO SUAS PRIMEIRAS AÇÕES À FRENTE DA INSTITUIÇÃO


1. "Ouço comentários que antecipam uma mudança na presidência do Centro Artístico e Cultural. Os boatos adiantam que o novo presidente será o historiador Fábio Nelson Guimarães, em substituição ao prof. Antônio Elias Cecílio." (8/6/1962)

2. "O historiador Fábio Nelson Guimarães vai substituir o professor Antônio Elias Cecílio na presidência do Centro Artístico e Cultural. Ficam, assim, confirmados os boatos. Em palestra com o novo presidente do C.A.C., soubemos que as futuras reuniões dessa instituição serão bimensais, com duração máxima de 40 minutos e, no final de cada uma, um conferencista terá alguns minutos para dissertar sobre tema pré-estabelecido. Aposto que as reuniões agora serão mais alegres e movimentadas. Parece que Fábio vai entrar com o pé direito." (13/6/1962)

3) "No próximo dia 8, reunião do Centro Artístico e Cultural. O Pe. Luiz Zver, na ocasião, dissertará sobre o tema "O que é a política". Na segunda reunião dessa instituição, sob a direção do historiador Fábio Guimarães, dr. Álvaro Vianna Filho falará sôbre o parlamentarismo e a realidade brasileira. Aliás, sôbre êsse assunto o ilustre advogado vem fazendo uma série de conferências na Escola Técnica de Comércio Tiradentes, contando também com a presença de alguns alunos da Faculdade de Filosofia Dom Bôsco."(28/6/1962)

4) O C.A.C. estêve reunido domingo último, dia 8, sob a presidência do sr. Fábio N. Guimarães, em sessão que durou precisamente 40 minutos. Na ocasião tratou-se de assuntos de interêsse da entidade, além da comunicação aos consócios da vinda a São João do dr. Paulo Kruger Corrêa Mourão, ilustre historiador mineiro e catedrático da Faculdade de Engenharia da UMG. O dr. Paulo Kruger proferirá duas palestras: "O barroco e as igrejas de São João del-Rei" e "Estudos sôbre São João antigo", respectivamente nos dias 20 e 22 de julho.

A seguir, o sr. presidente passou a palavra ao pe. Luiz Zver, o qual palestrou sôbre "O que é a política". Partindo da significação etimológica, o orador dissertou em base filosófica, ética e objetiva. Fêz um histórico desde Confúcio e analisou o pensamento de Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, Santo Tomás, Marchiavelli, Hobbes, Locke, e a palavra dos últimos Papas. Pe. Luiz foi muito aplaudido e distribuiu a todos os presentes um estudo do pe. Tiago Adão Lara a respeito da Democracia.

Está marcada nova reunião do CAC para o dia 12 de agôsto, quando fará uso da palavra o dr. Álvaro Vianna Filho debaixo do tema "Parlamentarismo, seu mecanismo, vantagens e desvantagens". Os oradores têm tempo marcado para suas exposições. (S/d)

5) Paulo Kruger Corrêa Mourão, professor na Universidade de Minas Gerais, autor de diversas obras históricas, aceitou o convite do sr. Fábio Guimarães para pronunciar entre nós, algumas conferências. Na ocasião, Paulo elogiou muito o jovem historiador Fábio Guimarães e o autor dos registros biográficos sanjoanenses. Paulo é irmão do general Olímpio Mourão Filho, ex-comandante do Regimento Tiradentes. Virá em julho acompanhado de sua exma. espôsa  e permanecerão nesta cidade por uma semana. (24/6/1962)

6)  O C.A.C. está dirigindo ao povo o seguinte 
CONVITE

O Dr. Paulo Kruger Corrêa Mourão, engenheiro, historiador, professor da Universidade de Minas Gerais e autor de vários livros, atendendo ao convite da diretoria do C.A.C., virá a esta cidade na segunda quinzena deste mês de julho, para pronunciar algumas conferências.

Tenho a honra de convidá-lo, e a sua distinta família, juntamente com seus amigos, sobretudo para as duas seguintes:
Dia 20, às 19,30 hs. na União Sírio-Libanêsa, quando o Dr. Kruger falará sôbre o Barrôco e as Igrejas de São João del-Rei.
Dia 22, no Círculo Militar, quando o conferencista abordará Um Estudo sôbre São João del-Rei antigo.

Agradeço antecipadamente seu comparecimento e de quantos por seu intermédio chegarem ao conhecimento deste convite que por meu intermédio lhe dirige o C.A.C.
Fábio N. Guimarães
Presidente em exercício

7) Encontra-se na cidade o dr. Paulo Kruger Corrêa Mourão, engenheiro, historiador, jornalista e professor na Universidade de Minas Gerais, acompanhado de sua exma. esposa, em viagem de recreio e de estudos, a convite do sr. Fábio Nelson Guimarães. É, também, autor de diversas obras de grande valor histórico. Na sexta-feira passada, na União Sírio-Libanêsa, dr. Paulo falou sôbre o "Barrôco e as igrejas de São João del-Rei". Hoje, no Círculo Militar, o conferencista abordará o tema "Um Estudo sôbre São João del-Rei". Trata-se de mais uma grande realização do Centro Artístico e Cultural agora sob a direção do historiador Fábio N. Guimarães. (24/7/1962)

8)  As duas conferências pronunciadas pelo historiador Paulo Kruger Corrêa Mourão foram de grande utilidade para o sanjoanense que, apesar de todos os esforços, continua a não querer participar de muitas reuniões de caráter cultural e a pregar aos quatro cantos que êle é um dos grandes admiradores da cultura. Felizmente, dr. Paulo Kruger foi prestigiado por um grupo seleto de intelectuais que o aplaudiram em ambas as reuniões.

Durante sua estada entre nós, o historiador Fábio Nelson Guimarães, presidente do Centro Artístico e Cultural, fez as honras da casa. Na residência do sr. e sra. Onésimo Guimarães, o sr. e sra. dr. Paulo Kruger foram recebidos, na tarde de sábado último, para um alegre bate-papo, quando pudemos observar e confirmar que êsse casal é dos que sabem receber bem, em nossa sociedade. A grande surprêsa, na noite de sua primeira palestra, foi a notícia de que, também, Luiz de Melo Alvarenga é historiador... e dos bons, afirmaram. Entre os que prestigiaram, anotamos: revmo. Bispo Diocesano Dom Delfim Ribeiro Guedes, revmo. pe. Luiz Zver, historiador dr. Augusto das Chagas Viegas e o sr. e sra. dr. Ronaldo Simões Coelho. Ele, agora, é o presidente regional da A.M.M.G.D. Ana Maria Tostes Simões Coelho apareceu, naquela noite, pela primeira vez em reunião social após receber a visita da cegonha, com um conjunto em tom gelo muito simpático. (26/7/1962)

9)  IMPRESSÕES DE SÃO JOÃO DEL-REI

Especial para o "Diário do Comércio"

Paulo Kruger Corrêa Mourão

A situação especial de São João del-Rei, quase duas vezes e meia centenária, motiva sua qualidade de (cidade) preservada e tradicional. Servida por um pequeno trecho de estrada de ferro e não tendo, até bem pouco, uma rodovia apropriada a grandes movimentos, São João não mudou substancialmente.

Graças assim o tenha sido! Pôde conservar sua poesia, suas tradições, o cerimonial dos seus belos templos, a doce melodia dos sinos agradáveis que nos convidam à elevação da alma! Aqui se sente como que a revivescência daqueles tempos felizes em que a filosofia do Evangelho governava os povos.

Tendo em vista a corrupção dos dias que correm, receio venha o turismo perturbar a vida da formosa urbs: êsse turismo aliás tão necessário para que o resto do país conheça suas belezas e se lhe aumentem as rendas para as grandes realizações da cidade confortável. Realmente é de recear-se seja a cidade invadida por essa onda de mulheres contaminadas pelo repelente modernismo, com os seus indecorosos trajes masculinos e insolentes cigarros — tristes exemplares de futuras mães, cujos filhos, mal formados, serão os donos dêste infeliz país, na próxima geração.

Voltemos, entretanto, a falar da "princeza do Oeste": Que cidade independente! Não vai no cabresto dos políticos profissionais. Quantos valôres no campo intelectual e que interêsse pelas coisas do passado e pelo cultivo da inteligência e dos sentimentos elevados do coração!

É inconcebível, por exemplo, o comunismo ateu em São João del-Rei.

Aqui fui encontrar o C.A.C. e ilustres intelectuais: a figura respeitável do historiador Dr. Augusto Viegas; a inteligência moça e o valor precoce de Fábio Guimarães; a exuberância contagiante do escritor Gentil Palhares; a gravidade valorosa de Paulo Christófaro; o método e a vocação biográfica de Sebastião Cintra; os pendores de cronista social de Osni Silva. Enfim: tantos e tantos homens capazes de viver as glórias passadas da vetusta São João del-Rei.

Honrou-me com sua visita a personalidade de irradiante otimismo e simpatia do sr. Nelson Lombardi. Sem que eu seja político, pude constatar positiva receptividade de seu nome para futuro Prefeito. Com seu espírito moço e suas arrojadas idéias de empreendedor, quero crer que, se eleito, a linda cidade não terá apenas um administrador de rotina; porém um autêntico realizador que possibilitará aos seus habitantes progressos quiçá insuspeitados. 

São João está igualmente muito bem servida de pastor, tendo na pessoa do seu ilustre Bispo, Dom Delfim, um concretizador dinâmico de suas necessidades espirituais. Pude ver o admirável Seminário de Tiradentes adaptado na casa histórica do Padre Toledo.

Também do ilustre padre Luiz Zver trouxe grata recordação e pude constatar, pessoalmente, a grande realização do educandário de Dom Bosco e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras a êle anexo.

Assim, vi São João, em inesquecíveis dias de julho de 1962. (3/8/1962)

10) UM  VISITANTE  ILUSTRE

Gentil Palhares

Acompanhado de sua digníssima espôsa — senhora Maria Corrêa Mourão — honrou a cidade e o C.A.C., com sua presença, o ilustre historiador mineiro Dr. Paulo Kruger Corrêa Mourão. Especialmente convidado pelo Presidente do CENTRO ARTÍSTICO E CULTURAL — jovem Fábio Nelson Guimarães, Paulo Kruger passou aqui uma semana, tôda ela dedicada às nossas artes e à nossa história. Na oportunidade proferiu duas conferências, a primeira no Salão do Clube Sírio Libanez e, a segunda, no Círculo Militar. O primeiro tema foi sôbre o barroco e as igrejas de São João del-Rei, ocasião em que o prestigiado historiador e rebuscador de nossa história teceu considerações interessantes sôbre as artes de nossa terra, exaltando a religião como fator preponderante para o florescimento do barroco. Não há dúvida — e afirmara mesmo Paulo Kruger — de que Antônio Francisco Lisboa tenha sido o autor de vários trabalhos internos do templo de São Francisco, a julgar por determinados detalhes dos altares laterais, peculiares ao entalhador mineiro.

A segunda conferência versou sôbre a história de S. João del-Rei, a partir de nossa fundação, aflorando o conferencista vultos destacados que ajudaram a dar nome à terra sanjoanense, dêsde os seus primórdios. Prestigiou, grandemente, os conceitos emitidos no livro FUNDAÇÃO HISTÓRICA DE SÃO JOÃO DEL-REI, de autoria de Fábio Nelson Guimarães.

O historiador mineiro foi muito aplaudido nas suas duas palestras, pôsto fôsse, como sempre, reduzido o número de assistentes. Estiveram presentes, constituindo honra insigne para o CAC, Dom Delfim Ribeiro Guedes, Dr. Augusto das Chagas Viegas, Pe. Luiz Zver, Luiz de Melo Alvarenga (historiador sanjoanense), entre vários outros próceres de destaque no nosso setor intelectual.

Paulo Kruger Corrêa Mourão, figura simples, modesta e cativante, fez questão de visitar todos os nossos templos e foi assim que, após se extasiar com o CARMO e SÃO FRANCISCO, rumou para Tiradentes. E saiu de lá verdadeiramente encantado com a Matriz, sem olvidar o modo gentil com que fôra tratado pelo Vigário da cidade histórica, o qual fez funcionar o magnífico órgão do templo majestoso. Naquela cidade visitou ainda a igreja do Rosário e o Seminário, louvando e engrandecendo a extraordinária obra de Dom Delfim. Fábio Guimarães recepcionou em sua residência o casal ilustre, o qual recebeu, também, o apôio de vários membros do CAC, que o acompanharam em sua excursão à nossa cidade.

Paulo Kruger C. Mourão, que é engenheiro formado pela Escola de Ouro Preto, é membro do Instituto Histórico e Geográfico de M. Gerais, da Sociedade de Engenharia e diversas outras agremiações científicas e literárias. Tem, no momento, nove obras publicadas, tôdas versando sôbre arte e história, das quais é cultor apaixonado.

Sua estada em São João del-Rei foi das mais proveitosas para todos nós. (12/8/1962)



♧               ♧               ♧


III.  ELEITO FÁBIO GUIMARÃES PARA O INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE MINAS GERAIS


A recente publicação do livro "Fundação Histórica de São João del-Rei", cuja primeira edição já se acha completamente esgotada, garantiu para o jovem farmacêutico Fábio Nelson Guimarães o ingresso, na qualidade de sócio correspondente, no Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, respeitável sodalício que sempre timbrou em recrutar com esmerado escrúpulo os seus membros.

Eleito por unanimidade, em sessão de 18 de setembro último, o culto e festejado conterrâneo atingiu a tão alta consagração antes de completar 30 anos de idade, circunstância que valoriza sobremodo o reconhecimento, por parte da entidade representativa da cultura mineira e altamente categorizada, dos invulgares méritos do historiador Fábio Guimarães.

Tratando-se de mais uma vitória de distinto filho de São João del-Rei, que tão cêdo demonstra acentuada vocação para sérios estudos históricos de nossa terra, é natural que se mobilize o povo sanjoanense para tributar ao laureado autor calorosas homenagens.

"Diário do Comércio", que tem em Fábio Guimarães um apreciado colaborador, rejubila-se com o gratíssimo acontecimento, enviando-lhe felicitações pelo grande êxito alcançado, votos que prazerosamente estende aos seus dignos e queridos pais. (18/10/1962)


IV.  AGRADECIMENTO


Gostaria de registrar meu agradecimento à confreira de IHG, escritora e Profª  Betânia Maria Monteiro Guimarães, viúva de Fábio Nelson Guimarães, a qual tem facilitado e incentivado minhas pesquisas sobre as ações gloriosas do grande historiador são-joanense.

11 comentários:

Francisco José dos Santos Braga (escritor, pianista e compositor, gerente do Blog de São João del-Rei e do Blog do Braga) disse...

20 anos sem a presença gentil e confortante de Fábio Nelson Guimarães!

Para comemorar o aniversário de sua morte, ocorrida em 1º de julho de 1996, preparei este artigo que representa o mínimo que um historiador que se preze pode fazer por seu precursor: relembrar seus feitos para preservar sua digna memória.

Destaquei aqui dois momentos de sua vida, que o Blog de São João del-Rei se esmera em divulgar para motivar novos pesquisadores a empreender uma viagem maravilhosa através de suas obras imortais, que foram muitas. Os dois momentos que aqui serão retratados se referem à sua posse na presidência do C.A.C.-Centro Artístico e Cultural de São João del-Rei em junho de 1962 e à sua admissão no Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, na categoria de sócio correspondente, em outubro de 1962.

Prof. Fernando Teixeira (professor universitário, escritor, poeta e Secretário Geral da Academia Divinopolitana de Letras) disse...

Muito agradecido pelo envio da homenagem a este ilustre sanjoanense. Fernando Teixeira

Nilo Lima (membro da Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

Parabéns pelo artigo. Obrigado, saiba que será de grande relevância ao projeto que desenvolvo sobre escritores são-joanenses. Seu trabalho é muito importante. Grande abraço.

Dr. Rogério Medeiros Garcia de Lima (desembargador, palestrante, conferencista, escritor e membro da Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

BELA HOMENAGEM. GRANDE FIGURA, O SAUDOSO MESTRE FÁBIO.
ABS.

ROGÉRIO

Adenor Simões (ex-Vereador e Secretário da Cultura de São João del-Rei e presidente de SJDR- Capital Brasileira 2007) disse...

Bela homenagem, meu amigo Francisco.
Que bom ter pessoas como você, que valoriza e preserva a nossa memória.
Só tenho que agradecer e São João del-Rei também agradece.
Forte abraço.

Benjamin Batista (presidente da Academia de Cultura da Bahia, showman e barítono de sucesso) disse...

Belo e sensível texto. Um abraço.
B B

Jota Dangelo (diretor, ator, dramaturgo e gestor cultural, cronista e escritor) disse...

Oportuno o artigo sobre o Fábio. Merecida lembrança. Jota Dangelo

Anônimo disse...

A riqueza da história de São João del Rei não está somente nas obras que aqui permanecem mas, também, nos obreiros que daqui perecem.
Justa homenagem. Grande reminiscência, Ilustre Francisco Braga. Conheci muito o Fábio Guimarães.
Musse Hallak

Paulo Roberto Souza Lima disse...

Prezado Francisco Braga, receba meus melhores cumprimentos pela sensibilidade e oportunidade da lembrança deste insigne historiador. Ler o seu Blog é um momento de aprendizagem pela escorreita prontidão do seu texto e a fidelidade aos textos referenciados. Parabéns, companheiro confrade.

Betânia Maria Monteiro Guimarães (professora universitária, pesquisadora, escritora, membro do Instituto Histórico e Geográfico e da Academia de São João del-Rei) disse...

Prezado confrade Francisco Braga:
celebramos, eu e meus filhos, os 20 anos de falecimento do Fábio com
uma missa às 9h15 na igreja de São Francisco. Na verdade, para nós ele
continua vivo em nossas muitas lembranças de suas preferências, de
seus amigos e em suas frases que somente agora entendemos o
significado. E por que não, também em sua obra. Muito obrigada, mais
uma vez, por mostrar uma parte de sua vida. Sinceramente. Betânia

José Cláudio Henriques (escritor, jornalista, redator de O Grande Matosinhos, membro da Academia de Letras e presidente do IHG de São João del-Rei) disse...

Mais uma vez obrigado Francisco por citar o meu nome no seu incansável trabalho. Como combinamos vamos publicá-lo no WWW. Ograndematosinhos.com.br

Abs. Jclaudio.