quarta-feira, 10 de abril de 2013

JÚLIO TEIXEIRA NO ALBERGUE SANTO ANTÔNIO NA HISTÓRICA CIDADE DE SÃO JOÃO DEL-REI (2ª PARTE)

Por Francisco José dos Santos Braga *


I. INTRODUÇÃO


Nesta 2ª Parte, dedicada a outra faceta da cativante personalidade de Júlio Teixeira (ou "Sr. Julinho", como era chamado na intimidade), pretendo compartilhar com meus leitores documentos do acervo de Olga Braga Teixeira, viúva do meu biografado, e de outros familiares dela, que por certo virão trazer à luz um novo elemento, desconhecido pela maioria daqueles que julgavam conhecê-lo, a saber: a sua paixão pelo centenário Albergue Santo Antônio e por seus abrigados. Nessa Casa de Idosos são-joanense, Júlio Teixeira colaborou durante dezenove longos anos, exercendo diuturnamente a prática da caridade, virtude que constitui notável indicador de elevação moral e da essência boa do ser humano. Júlio Teixeira, por seu empenho e dedicação à causa daquela Casa Asilar, se faz merecedor de todas as loas por parte de todos os são-joanenses, especialmente neste ano de 2013, em que o Albergue Santo Antônio comemora o seu 101º aniversário de profícua existência, tendo durante todos esses anos prestado excelentes serviços à comunidade são-joanense.

A doutrina católica considera a caridade como uma das virtudes teologais (fé, esperança e caridade) e a mais excelente de todas as três, já que as outras duas virtudes teologais são animadas e inspiradas pela caridade. É só através da caridade que o cristão pratica a imitação de Cristo. Segundo São Paulo, a caridade é o "vínculo da perfeição" (Col. 3, 14). Verdadeira pérola é o hino da Igreja Católica, composto antes do século X na França, o qual resume de forma admirável tudo o que se possa dizer de sublime sobre a caridade. Seu primeiro verso diz: "Ubi caritas et amor, Deus ibi est." (Onde estão a caridade e o amor, aí está Deus.)



II. SEÇÃO DE TESTEMUNHOS
 


Nesta seção, consistindo de nove documentos fidedignos, terei menor participação como escritor, posto que o testemunho de pessoas mais diretamente envolvidas com o atendimento aos albergados fala mais alto por si só. Caberá a este autor apenas traduzir algum texto ou comentar determinado trecho para elucidar algum ponto mais obscuro.

1) Inicialmente, vejamos uma correspondência em papel timbrado do Albergue em que o provedor, Sr. Reginaldo Silva Neto, deseja pronto restabelecimento a seu braço direito e tesoureiro do Albergue, por ocasião da primeira de suas três operações cardíacas a que Júlio Teixeira fora submetido:

"S. João del-Rei, 27/11/1981

Ao prezado amigo e colega Júlio,

Em meu nome pessoal e de todos os Membros da Mesa Administrativa do Albergue Santo Antônio a nossa cordial visita e os votos que fazemos ao Criador pelo seu pronto restabelecimento e breve retorno ao nosso convívio.

Aqui tudo em paz, a obra em bom andamento e a campanha idem.

Um abração do amigo,
Reginaldo." 

2) Em segundo lugar, apreciemos uma correspondência da Coordenação Geral das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, sediada em Belo Horizonte.

"Irmãs Carmelitas da Divina Providência
Rua São Luís, 1409 - Horto
Belo Horizonte - Minas Gerais

Belo Horizonte, 27 de janeiro de 1987

Exmo. Sr.
Júlio Teixeira
São João del-Rei - Minas Gerais

Prezado Sr. Júlio,

"Sua grandeza vinha das qualidades
de que basta o homem ter uma
para tornar-se merecedor da vida:
a retidão, a bondade, a inteligência." ¹

Em reunião  do dia 24/01 a Coordenação Geral da Congregação das Irmãs Carmelitas da Divina Providência com muita alegria constatou não apenas o resultado maravilhoso do empenho e dedicação do Sr., do qual surgiram os novos prédios de nosso Albergue Santo Antônio, mas, junto a isto, louvou a Deus pela bondade e generosidade que existe em seu coração.

De fato, além do trabalho material, é notório o bom gosto, a fineza e nobreza com que cada ação foi realizada, numa expressão de seu real compromisso com os irmãos carentes, criando condições para um atendimento justo, humano, cristão de todos e de cada um deles.

"O que fizerdes ao menor dos meus irmãos a mim o fazeis." É grande a certeza de que tudo o que foi empreendido está gravado no coração de nosso Deus que lhe dará a justa e merecida recompensa.

Junto a nossos irmãos do Albergue a Coordenação Geral lhe apresenta a sua gratidão e está convencida de que poderá contar sempre com sua preciosa colaboração e presença estimuladora e amiga.

Deus o guarde e a sua família em seu amor tão grande.

Com renovada estima e consideração,

Ass. Irmã Luiza Augusta Rodrigues
Secretária p/ Coordenação Geral"



3) A seguir, do mesmo acervo de Olga Braga Teixeira foi-me fornecida uma "bula" assinada por Johan Steneker, O. Carm. ², concedendo a Júlio Teixeira uma "Carta de Afiliação à Ordem dos Irmãos da Beata Virgem Maria do Monte Carmelo", em Roma, datada de 12 de maio de 1992, com registro às fls. 22/502, que transcrevo abaixo em latim e em minha tradução para a língua portuguesa. Convém esclarecer que, de meu conhecimento, em São João del-Rei, apenas outra pessoa, o pradense Reginaldo Silva Neto, foi agraciada com idêntica Carta de Afiliação. Tanto Júlio Teixeira quanto Reginaldo Silva Neto, pela sua parceria construtiva e excelência de serviços prestados à Ordem dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, são reconhecidamente benfeitores dessa casa de caridade cristã. Abaixo se lê a bula que admite Júlio Teixeira como participante de todos os bens e frutos espirituais decorrentes de ações espirituais realizadas pela Ordem Carmelita, em todo o mundo.

"LITTERÆ AFFILIATIONIS ORDINI FRATRVM B.V. MARIÆ DE MONTE CARMELO

PRIOR GENERALIS ORDINIS FRATRUM BEATÆ MARIÆ VIRGINIS DE MONTE CARMELO


Dilecto in Christo Julio Teixeira - São João del-Rei, Brasile


Cum de Vestris erga nostrum S. Ordinem promeritis apprime certiores simus, eximiæ omnipotentis Dei misericordiæ, nec non Sanctissimæ Virginis singularis nostræ Patronæ et S. Eliæ Profetæ ac Parentis nostri omniumque Sanctorum Ordinis meritis et intercessionibus plurimum confisi, pro ea qua fungimur auctoritate, participes Vos facimus omnium et singularum Missarum et reliquorum bonorum operum, quæ in universo Orbe, adiuvante misericordia Iesu Christi, a Fratribus et Sororibus nostri S. Ordinis assidue peraguntur. Deum Optimum Maximum toto animo interim obsecramus, ut quos fraterna charitas et bonorum operum communio nobiscum iunxit in terris, eosdem æternæ felicitatis indissolubile vinculum iungat in Cælis.

In quorum fidem, etc.


Datum Romæ, ex Ædibus nostris Generalitiis, die 12.V.1992
Reg. Fol. 22/502

Sign. Johan Steneker, O. Carm.
Vices Generalis"


Vê-se no verso da bula o brasão da Ordem Carmelita que tira seu motto das palavras do Profeta Elias (I Reis 19, 10): "Zelo zelatus sum pro Domino Deo exercituum", cuja tradução é "Estou ardendo de zelo pelo Senhor, o Deus dos exércitos".

Eis a minha tradução para a dita bula:


"CARTA DE AFILIAÇÃO À ORDEM DOS IRMÃOS DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO


O PRIOR GERAL DA ORDEM DOS IRMÃOS DA BEM-AVENTURADA VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO

Ao dileto amigo em Cristo,
Júlio Teixeira
São João del-Rei, Brasil


Porque a nós chegou a fidedigna notícia de vossos serviços para com a nossa Santa Ordem, confiando-nos muito na grande misericórdia de Deus todo-poderoso e na intercessão e nos méritos e intercessões da nossa excelsa Patrona, a Santíssima Virgem, de nosso Pai, o Profeta Elias, e de todos os Santos da Ordem, pela autoridade que nos compete, fazemo-vos participante de todos os bens e frutos espirituais decorrentes da celebração das Missas e de todas as ações meritórias realizadas assiduamente pelos Irmãos e Irmãs de nossa Santa Ordem, com o auxílio da misericórdia de Jesus Cristo.

Rogamos, portanto, a Deus todo-poderoso, com toda a fé,  conceda àqueles que na terra a caridade fraterna e a comunhão das boas obras uniram conosco, no céu os una o indissolúvel vínculo da eterna felicidade.


Na fé, confirmo o que foi declarado.
Dado em Roma, a partir de nossa Casa Universal, no dia 12 de maio de 1992.
Registrado nas folhas 22/502

Ass. Johan Steneker, O. Carm.
Vice Geral"


4)  Entre os pertences e documentos deixados por Júlio Teixeira e de posse de sua viúva Olga, encontra-se uma minuta de correspondência datilografada, com o seguinte bilhete manuscrito, ao final:



“Júlio,

Segue a minuta do que pediu.

Espero que esteja dentro daquilo que é sua intenção.

Sugiro que o ofício seja assinado por todos os membros da Diretoria. Se conseguir uma carta do novo Bispo é muito bom. O Governador tem em alta consideração as autoridades da Igreja.
A minuta que segue pode, perfeitamente, sofrer os reparos que forem considerados necessários.

Um abraço,

Ormeu (Gonçalves Fróes)”



Vamos agora à referida correspondência propriamente dita:



“Ao Exmo. Senhor Governador do Estado

Dr. Tancredo de Almeida Neves ³



Senhor Governador,



É conhecido de V. Exª aquilo que o Albergue Santo Antônio vem realizando há algumas dezenas de anos em favor das pessoas idosas carentes, tanto as que residem nesta cidade, como aquelas dos Municípios vizinhos.

Recentemente inauguramos novos pavilhões, numa área construída de quase 3.000 metros quadrados, tudo realizado com ajuda de pessoas caridosas. A obra não teve apoio dos governos da Federação e mesmo assim foi completada com os mais modernos padrões, embora sem qualquer luxo.

A Mesa Administrativa do Albergue e também os membros da Diretoria nada recebem — senão as Graças de Deus — pelo trabalho que prestam com a maior boa vontade.

Enfim, Senhor Governador, nossa Casa é hoje um orgulho para a cidade e um modelo de organização e eficiência. Não se trata de elogio, mas constatação de uma realidade.

Contudo, nem todo o potencial e possibilidade estão atuando, mas desejamos que assim aconteça. Para isto é necessário e imprescindível, agora, o apoio oficial, especialmente do Governo Estadual que V. Exª tão bem dirige.

Pensamos em ampliar ainda mais, recuperando os antigos pavilhões, capela e os apartamentos das Irmãs Carmelitas. No prédio atualmente construído, os apartamentos idealizados para as Irmãs seriam transformados em pensionato pago. Por conseguinte, as pessoas idosas e que pudessem remunerar o atendimento e hospedagem na Casa, teriam também um lugar onde poderiam ficar com outras do mesmo ambiente e mesma força.

Já temos alguma coisa para começar. Precisamos ampliar estes recursos para que a nova obra possa efetivar-se sem transtornos; que seja uma realidade objetiva e tranquila.

Toda a cidade e região serão os favorecidos de forma imediata. Isto sem falarmos nas pessoas que precisam do Albergue como morada na última fase de sua vida.

Nestes termos, a V. Exª nossa humilde solicitação. O apoio, para reforçar a parte financeira que já temos disponível, torna-se imprescindível e fundamental. Sem ele, estaremos impossibilitados de realizar tudo de bom que poderia ser feito.

O espírito cristão que sempre norteou o ilustre Governador, o conhecimento de nosso trabalho e o prestígio alcançado pelo Albergue Santo Antônio junto à comunidade, por certo serão elementos ativos na condução favorável de liberação de uma verba — ou pelo Governo diretamente, através do órgão próprio, ou pela Loteria Estadual — que possibilitará uma nova dimensão no atendimento ao idoso, já que muitos pedidos temos recebido no sentido daquilo que se pretende.

Aproveitamos para renovar protestos de alta estima e elevada consideração,



Atenciosamente,



XXXXX”




5) Depois de longos anos sofrendo moléstia incurável, Júlio Teixeira veio a falecer em 17/02/1994. Naquele dia de luto para todos os são-joanenses, chegaram ao Albergue dois telegramas expedidos de Belo Horizonte para a família enlutada. Aqui os transcrevo:



“URGENTE

FAMÍLIA JÚLIO TEIXEIRA



PROFUNDAMENTE UNIDAS MOMENTO SAUDADE CHAMADO CASA DO PAI GRANDE AMIGO INCANSÁVEL BENFEITOR. CERTEZA SUA FELICIDADE ETERNA SEJA CONFORTO PREZADA FAMÍLIA. ORAÇÕES CUMPRIMENTOS.
IRMÃ MARIA JOSÉ FERNANDES – COORDENAÇÃO GERAL CARMELITAS

RUA SÃO LUÍS, 1496 – HORTO

BELO HORIZONTE”



“TELEGRAMA

FAMÍLIA JÚLIO TEIXEIRA



UNIDA SENTIMENTO CHEGADA JUNTO DE DEUS QUERIDO AMIGO INCANSÁVEL BENFEITOR VISITA ABRAÇOS ORAÇÕES

IRMÃ MAURÍCIA

RUA SERRANOS, 58 – SERRA

BELO HORIZONTE”





6) Em papel timbrado do Albergue, foi encaminhada a Olga Braga Teixeira correspondência datada de 24/02/1994, portanto uma semana após o falecimento de Júlio Teixeira, a saber:


“São João del-Rei, 24 de fevereiro de 1994.

Ofício nº 008/94



Exma. Sra.

D. Olga Braga Teixeira

Prezada Senhora,



A Mesa Administrativa do Albergue Santo Antônio, profundamente consternada pelo passamento de seu amigo e companheiro de trabalho JÚLIO TEIXEIRA, vem pelo presente apresentar a V. Sª e a todos os membros de sua digníssima Família, o nosso profundo sentimento de pesar pelo infausto acontecimento.

Durante os longos anos que aqui militou, JÚLIO TEIXEIRA soube conquistar a simpatia e a confiança de todos aqueles que habitam esta Casa. Dotado de invejável capacidade de trabalho, reunindo virtudes e qualidades que o tornaram alvo da admiração de todos que o conheceram, JÚLIO TEIXEIRA deixou pegadas indeléveis em todos os espaços do Albergue Santo Antônio. Sua ação benéfica está espalhada pelos quatro cantos de nossa cidade; a ninguém passou despercebida sua presença e o seu trabalho nas mais diversas comunidades de nossa cidade. A nenhuma, todavia, ele se dedicou com tanto amor e carinho como ao Albergue Santo Antônio.

Agradecemos a Deus o privilégio de tê-lo conhecido e com ele haver convivido por tão longo tempo. Toda a vida de JÚLIO TEIXEIRA, em família e na comunidade, foi um hino de louvor a Deus e isto traz para todos nós a certeza de que, hoje, ele vive a visão face a face na Casa do Pai. Esta certeza nos anima a continuar a caminhada que será sempre impulsionada pela sua constante e viva lembrança entre nós.



Respeitosas Saudações,



Carmello Geraldo Viegas – Provedor

Reginaldo Silva Neto – Vice-Provedor

Irmã Cenira do Carmo Silva – Diretora

Tarcísio J. Souza – Secretário

Ney Braz Reis – Tesoureiro

Antônio da Cruz – 2º Secretário”


Importante é ainda ressaltar que tal correspondência foi publicada como matéria paga pelo Albergue, no jornal Tribuna Sanjoanense, Ano XXVI, Edição nº 754, p. 3, porém com a seguinte alteração na constituição de sua Diretoria:

Carmello Geraldo Viegas – Provedor
Irmã Cenira do Carmo Silva Vice-Provedor 

Irmã Cenira do Carmo Silva – Diretora 
Tarcísio J. Souza – Secretário
Reginaldo Silva Neto – Tesoureiro
Antônio da Cruz – 2º Secretário.   


7) Importante registro, conservado com muito carinho pela viúva de Júlio Teixeira, é o convite que ela recebeu da Direção do Albergue Santo Antônio, convidando-a, bem como a seus familiares, para a inauguração do novo prédio com o nome de "PAVILHÃO JÚLIO TEIXEIRA", marcada para o dia 13 de julho de 1996, portanto mais de dois anos após o falecimento de Júlio Teixeira. Ei-lo:

"Albergue Santo Antônio
Praça Dom Helvécio, s/nº
São João del-Rei - MG

Exma. Sra.
D. Olga Braga Teixeira

Prezada Senhora,


Depois de mais de quatro anos de lutas intensas, das quais participou ativamente nosso inesquecível companheiro JÚLIO TEIXEIRA, finalmente chegou ao término a construção do novo anexo ao prédio do Albergue Santo Antônio.

Constituído de dois pavimentos, o novo prédio abriga em seu interior um auditório e biblioteca localizados na parte inferior e, na parte superior, vários apartamentos que, embora modestos, são bastante confortáveis.

Para que tudo isto se realizasse, JÚLIO TEIXEIRA desempenhou papel preponderante, não só pela sua visão administrativa como ainda, e principalmente, pelo grande amor que dedicava às causas do Albergue Santo Antônio.

Por esse motivo e por muitos outros, a atual Direção do Albergue decidiu, por unanimidade, inaugurar o novo prédio com o nome de "PAVILHÃO JÚLIO TEIXEIRA". A cerimônia de inauguração será realizada no dia 13 de julho - sábado, às 16h45min. Para este ato, esperamos contar com sua honrosa presença e de todos os familiares de nosso inesquecível amigo JÚLIO TEIXEIRA.

Sem outro assunto para o momento, apresentamos-lhe as nossas mais

Respeitosas Saudações,

Ass. Carmello Geraldo Viegas - Provedor
Ass. Irmã Cenira do Carmo Silva - Diretora"



8) Outro fato digno de registro é o pronunciamento, em 13 de julho de 1996, feito pela Irmã Maurícia por ocasião da inauguração do novo prédio do Albergue Santo Antônio, onde foi aposta a inscrição "PAVILHÃO JÚLIO TEIXEIRA", junto do retrato de seu benfeitor emérito.

"Prezados Senhores, prezadas Senhoras,

"Eis o dia que o Senhor fez...
Dia de alegria e ação de graças!"


Dia de prestarmos uma homenagem ao Sr. Júlio Teixeira, lembrando sua abençoada memória.


Em nome das Irmãs, vou falar sobre o nosso querido e saudoso Sr. Julinho, trazendo um pedacinho da história de sua chegada ao Albergue e depoimentos de todos nós que o conhecemos e o admiramos.

Como chegou o Sr. Julinho ao Albergue? Uma das Irmãs mais antigas foi quem nos contou: uma senhora do Nordeste desejava doar uma quantia avultada, em dinheiro, para o Albergue e pediu ao advogado Dr. Aloísio Dias para procurar o Dr. Ormeu Gonçalves Fróes, então Juiz de Direito, para encaminhá-la ao Albergue que, na época, estava com suas instalações muito precárias. Precisava-se de construir um novo prédio para os internos... Dr. Ormeu, de acordo com a Congregação e o grande desejo da comunidade de se formar uma Mesa Administrativa de Leigos, para ajudar nos trabalhos das reformas e de uma nova construção! Um dos primeiros voluntários foi o Sr. Julinho, aposentado, disponível, iniciou e colaborou com outros membros: Sr. Reginaldo, Sr. João Rodrigues, Dr. Paulo Cristófaro, na construção funcional, sólida e bonita para o conforto dos velhinhos. Preocuparam-se também com a reforma desta Capela (tão bonita!) e com a parte para a residência das Irmãs. Tudo isso é AMOR e DOAÇÃO!

Importante: Se o Sr. Julinho tanto se doou é porque sempre pôde contar com o apoio de sua tão querida esposa D. Olga e de seus familiares, que até hoje continuam fazendo suas doações ao nosso Albergue.

As Irmãs foram unânimes em dizer: Sr. Julinho sempre contou com o total apreço e apoio do então Provedor Sr. Reginaldo e de todos os Membros da Mesa Administrativa: Ney, Tarcísio, Antônio e, no fim com o apoio também do Sr. Carmello, agora nosso Provedor. Lá do céu, o Sr. Julinho, certamente, intercede a Deus por essa atual Diretoria que tudo dá de si, num trabalho sério e responsável, marcado também pela caridade com os idosos, pobres e carentes. É a voz de todos nós: Sr Julinho, bondoso, reto, dedicado, caridoso, digno de admiração, correto, fiel, carinhoso, zeloso, atencioso, cristão autêntico, homem de fé (gostava de rezar nesta Capela diante de Jesus Sacramentado!). Homem franco, leal, prestativo, amigo dos pobres, do "povo" do Albergue e das Irmãs. Trabalhador, dinâmico, procurava sempre o melhor para os pobres, para os internos. Emocionava-se facilmente, tal a sensibilidade de seu coração. Amava as flores, gostava de apreciar o jardim. Valorizava o trabalho das Irmãs, de cada uma em seu setor. Um verdadeiro irmão, amigo, possuído de "bom gosto", buscava sempre fazer uma "obra artística". Tudo motivado pelo amor à causa do Albergue. Um dom de Deus para o Albergue! Olhava a pobreza e não deixava faltar nada. Sr. Julinho tinha também seu tom de humorismo: gostava de conversar na janela da "Sala de Hóstia", com Irmã Estefânia. Durante a construção do velório, sempre lhe dizia que ela seria a primeira a inaugurá-lo. Ao que Irmã Estefânia reagia dizendo: "Eu vou ficar é na Capela e não no Velório!" Conhecia os internos e alguns se aproximavam mais dele. Haja vista o Teodoro que, num período de longos anos, colecionou sete instrumentos musicais (sanfonas, cornetas, etc.). Nas idas e vindas a Belo Horizonte, (Sr. Julinho) trazia-lhes doces, latas grandes com doce de batata, que os internos tanto gostavam. Na quaresma, lembrava-se do bacalhau. Com esses e muitos outros gestos, cativava a todos.

Agradecer tudo era uma de suas preocupações junto ao Sr. Reginaldo e seus companheiros de Diretoria. Quando se lhe pedia algo extra, tinha-se a sensação de que não seria atendido. Mas logo (Sr. Julinho) se abria e, muitas vezes, dava além do que se pedia. Sr. Julinho nunca teve parada... Aqui trabalhou durante 19 anos! (O que não são 19 dias!) Caminhou na busca de seus ideais e foi o seu AMOR e a ORAÇÃO que lhe deram força, garra e coragem para seus empreendimentos. Acreditamos que o Sr. Julinho já recebeu de Deus uma feliz recompensa: e de todos nós do Albergue Santo Antônio, a eterna gratidão, a lembrança feliz, mesclada de saudade.

Obrigada, Sr. Julinho!
Obrigada, D. Olga e seus familiares!
Obrigada, Benfeitores e Membros da Mesa Administrativa.
Obrigada em nome das Irmãs Carmelitas da Divina Providência por tudo o que o Albergue recebeu através do querido e inesquecível Sr. Julinho que, a exemplo de Jesus Cristo, "foi fiel e amou até o fim"."

9) O atual provedor do Albergue Santo Antônio, Antônio Carlos Galvão Del Mônaco, deu um depoimento sobre o histórico da centenária Casa Asilar, que expressa bem a situação desesperadora em que este se encontrava em 1977. Segundo ele, naquele ano, "as instalações do Albergue se encontravam em péssimas condições, colocando em risco a população albergada. Não havia renda para a manutenção da Casa, já que o Albergue sobrevivia de recursos advindos de doações da comunidade. No dia 22 de setembro de 1977, por iniciativa de uma comissão formada por Ormeu Gonçalves Fróes, Reginaldo Silva Neto e Júlio Teixeira, foi elaborado o primeiro Estatuto, dando início a uma nova fase para a Casa.
(...)
Ao longo de todos esses anos, a instituição expandiu-se, modernizou-se e aumentou a sua capacidade de abrigar, tornando-se referência na Região das Vertentes. Tudo o que é hoje foi conquistado com esforço e dedicação de pessoas abnegadas da sociedade sanjoanense e do Poder Público Municipal, Estadual e Federal."



NOTAS DO AUTOR



¹ Em "Baú de Ossos", Pedro Nava faz comentários sobre seu avô. Ali se lê: "(...) Meu avô, negociante e dono de casa comissária, provavelmente nem sabia desses brasões. Sua grandeza, como se verá, vinha das qualidades —de que basta o homem ter uma — para tornar-se merecedor da vida. A retidão, a bondade, a inteligência. O maranhense Pedro da Silva Nava tinha as três. E outra mais, que não legou aos seus descendentes — uma harmoniosa beleza física. (...)" (11ª edição, Cotia, SP: Ateliê Editorial; São Paulo: Giordano, 2005, p. 12)


²  Fr. Johan Steneker, O. Carm., membro da Província Holandesa que serviu como Vice-Geral da Ordem por seis anos, morreu na Holanda em 20 de março de 2003. Nascido em 4 de junho de 1928 em Heerenveen, fez sua simples profissão de votos em 10 de setembro de 1949 e foi ordenado em 10 de julho de 1955.



³ Em 1982, Tancredo de Almeida Neves foi eleito Governador de Minas Gerais após renhida disputa com o candidato do PDS Eliseu Resende. Renunciou ao governo do Estado em 14 de agosto de 1984 para concorrer à Presidência da República. Portanto, essa correspondência deve ter sido enviada durante esse interregno, à época em que Tancredo Neves chefiou o Executivo mineiro. 


⁴ Abreviação do texto de um cântico que costuma ser cantado como Salmo de Meditação nas Missas de Ação de Graças pelo aniversário de alguém, etc.


Depoimento dado pelo provedor do Albergue Santo Antônio ao site São João del-Rei Transparente em 5 de setembro de 2011 (Fonte: http://www.saojoaodelreitransparente.com.br/organizations/view/107).



* Francisco José dos Santos Braga, cidadão são-joanense, tem Bacharelado em Letras (Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras, atual UFSJ) e Composição Musical (UnB), bem como Mestrado em Administração (EAESP-FGV). Além de escrever artigos para revistas e jornais, é autor de dois livros e traduziu vários livros na área de Administração Financeira. Participa ativamente de instituições no País e no exterior, como Membro, cabendo destacar as seguintes: Académie Internationale de Lutèce (Paris), Familia Sancti Hieronymi (Clearwater, Flórida), SBME-Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica (2º Tesoureiro), CBG-Colégio Brasileiro de Genealogia (Rio de Janeiro), Academia de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei-MG, Instituto Histórico e Geográfico de Campanha-MG, Academia Valenciana de Letras e Instituto Cultural Visconde do Rio Preto de Valença-RJ e Fundação Oscar Araripe em Tiradentes-MG. Possui o Blog do Braga (www.bragamusician.blogspot.com), um locus de abordagem de temas musicais, literários, literomusicais, históricos e genealógicos, dedicado, entre outras coisas, ao resgate da memória e à defesa do nosso patrimônio histórico.Mais...

8 comentários:

Mário Celso Rios disse...

Caro Francisco,
Recebemos seu c-e com o trabalho sobre Júlio Teixeira! Nossos cumprimentos por sua produção incessante em prol do resgate dos verdadeiros referenciais de nossa cultura! Cordialmente, M. CELSO

Hélio Petrus disse...

Ilustre Escritor Francisco:
Ao ler, prazeroso seus escritos, fazendo o panegírico de ilustres personagens que dignificam nossa história, livres de interesses meramente egoístas, passou-me pela cabeça um mau pensamento: Que se dirá, daqui a alguns anos, dos homens públicos de hoje, de nossos políticos? Quem ousará fazer uma história tão denegrida da corrupção generalizada, sem macular de sangue a caneta?!... Onde estão os homens
de valor? É PRECISO PROCURAR COMO DIÓGENES!!!.....rsssssss

Abraços aos distintos amigos
Francisco e Rute.

Helio.

José Maurício de Carvalho disse...

Muito bem, lembro-me bem do sr. Julio Teixeira conduzindo a reforma do alberque Santo Antônio e fazendo outras boas obras na cidade. É lamentável que existam tão poucos que amem a cidade e seus cidadãos mais desprotegidos.
Mauricio.

Aluízio Antônio de Barros disse...

Meu prezado amigo Francisco:

Fico muito feliz com sua louvável iniciativa de homenagear o sãojoanense Julio Teixeira. Além de amigo da família, foi um cidadão de elevado espírito público na luta pelo bem comum.Foi braço direito do meu tio e padrinho, Mons. Paiva, e ambos trabalharam por nossa terra. Sr. Júlio era para meu tio padre um parceiro e amigo que viabilizou inúmeros empreendimentos sociais na região.

Receba um forte abraço e meus cumprimentos à estimada Rute.

Aluizio

Fernando de Oliveira Teixeira disse...

Caro Braga, as cidades têm suas figuras marcantes,como é o caso de Júlio Teixeira. É muito bom o seu trabalho. Por ele e tantos outros, parabéns. Lembranças para a família, Paz no Senhor da paz. Fernando Teixeira

Paulo Roberto Silva disse...

Muito boa matéria, consolida o minha admiração pelo passado mais que presente do Sr.Júlio e me cria ânimo para as empreitadas sociais a que me proponho...
Paulão

Elza de Moraes Fernandes Costa disse...

Boa tarde, Braga!

Excelente!

Obrigada por compartilhar.

Um abraço,

Elza de Moraes Fernandes Costa
Portal Concertino de Música Clássica

Francisco José dos Santos Braga (gerente do Blog de São João del-Rei) disse...

Prezado leitor do Blog de São João del-Rei,
No dia 22 de novembro de 2014 faleceu Reginaldo Silva Neto, "deixando para sempre, na memória dos amigos histórias exemplares de cidadania e generosidade, lucidez, justiça e camaradagem", noticou Cláudia Simões na Gazeta de São João del-Rei, edição de 30/11/2013.
A coluna Acontece da jornalista ainda relembrou que, em 1967, Reginaldo "foi nomeado provedor do Albergue Santo Antônio, onde trabalhou voluntariamente durante 17 anos. Em sua gestão, ao lado de Júlio Teixeira, foram ampliadas e renovadas as instalações da entidade, oferecendo mais conforto e melhor assistência aos idosos residentes."

Caro e saudoso "Naldinho",
Júlio Teixeira, seu parceiro inseparável, faleceu a 17/02/1994, vinte anos antes da sua chegada ao Céu. Ele esperou por você todo esse tempo — que para a eternidade é nada — para continuarem juntos a alegre parceria iniciada nos bancos do Ginásio Santo Antônio.
São essas minhas palavras de gratidão pelo amável convívio que tive com essas duas personalidades, quando fui procurador do Albergue em Brasília buscando regularizar a situação da entidade junto a órgãos públicos.
Francisco José dos Santos Braga
Gerente do Blog de São João del-Rei