quarta-feira, 11 de maio de 2016

ELOGIO FÚNEBRE DE JULIANA BRAGA TEIXEIRA (19/06/1952-10/05/2016)


Por Francisco José dos Santos Braga

Juliana Braga Teixeira 
Crédito pela imagem: Rute Pardini



Querida Juliana,

Neste momento solene em que devolvemos o seu corpo à mãe terra, é que podemos melhor vislumbrar a sua enorme fragilidade física. A sua força, por certo, não provinha da materialidade, mas de uma força superior que encantava todos nós que tínhamos o prazer do seu convívio.

Desde cedo você era diferente de suas amigas: reservada e introspectiva, nunca quis se interessar pelos caprichos da moda e brilhar nas passarelas, nem ser colunável, nem frequentar a noite são-joanense com seu brilho e "glamour", nem tomar parte em suas alegres patuscadas, optando pelo estudo sério em conformidade com o que lhe ensinavam suas mestras, irmãs vicentinas, no Colégio Nossa Senhora das Dores. 
No verso: "Aos meus queridos padrinhos e primos, com um sorriso, os beijinhos da Juliana" (19/02/1953)














No verso: "Aos meus queridos avós e padrinhos, com carinho oferece a Juliana"(30/07/1959)















No verso: "Aos queridos padrinhos e priminhos, com carinho oferece a Juliana" (30/07/1959)
No verso: "À querida vovó Josefina e vovô Zeca, uma lembrança de minha formatura, no Jardim de Infância. Juliana


Você optou por estudar com afinco e levar avante o seu curso de graduação em Ciências na FDB-Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras. Depois, veio o convite das irmãs vicentinas para você lecionar as disciplinas de Ciências e Matemática no Colégio em que se formou. Por fim, surgiu a oportunidade de disputar uma vaga primeiro para agente administrativo, depois para fiscal do INPS, ambas conquistadas por meio de concurso público.

Juliana, 

Você escolheu o comportamento reto e austero na profissão de fiscal do Posto do INPS em São João del-Rei, onde, como servidora fiel e leal, se destacou pelo zelo de servidora pública incorruptível e merecedora da confiança de seus superiores, os quais, por isso mesmo, lhe reservavam as missões mais complexas e difíceis por exigirem honestidade a toda prova, como foi o caso de fiscalização realizada na cidade de Santos Dumont. A aposentadoria chegou, encontrando-a com a mesma disposição e amor ao trabalho dos primeiros tempos.

Depois veio, no silêncio do lar, o convívio com seus pais,  a quem você serviu com empenho e carinho até o seu último alento. Sua presença significava que tudo estava sendo cuidado nos mínimos detalhes. Verdadeiro esteio, base sólida em que se assentava a família Braga Teixeira, você nunca abdicou da sua responsabilidade de ser o elo de união da família, alguém confiável a quem se podia recorrer sempre, em todos os momentos de dificuldade, como em diversas ocasiões pude testemunhar. Ao lado de sua fraqueza corporal, você dispunha daquela força e autoridade moral reconhecidas por todos os que tivemos a sorte de conhecê-la profundamente.

São conhecidos seus dotes de filha diligente e amorosa, que cuidou de seus pais até seus derradeiros dias (Júlio Teixeira, até 17/02/1994, e Olga Braga Teixeira, até 6/8/2013). Cumprida essa sua missão filial, aos poucos, sua saúde começou a se deteriorar, suas forças rapidamente se dissiparam, culminando neste momento de despedida em que pranteamos a sua partida com apenas 63 anos de profícua existência em prol da família e da comunidade.

Embora estejamos aqui desconsolados com a sua repentina partida de nosso meio, irmãs, amigos, cunhados, sobrinhos, primos todos temos a certeza de que você, como exemplo de vida cristã e modelo de leiga que se põe a serviço da obra divina neste mundo, obterá o galardão celestial, pois São Paulo ensina que “alguém receberá recompensa, se o que ele construiu aqui na terra permanecer.” (1 Coríntios 3:14) A nossa fé repousa em Deus que – somente Ele – saberá recompensá-la por todo o desvelo demonstrado para com pessoas de seu relacionamento, sem fazer distinção entre elas. Você deu sobejas provas de que possuía a caridade, isto é, o amor a Deus sobre todas as coisas e o amor ao próximo como a si mesma. Por amor a Deus, você, durante toda a sua vida, procurou ser participativa e beneficiar não só a sua família e a sua pátria, mas também a sua cidade e a região do Campo das Vertentes.

Conta São Lucas (Lc 10, 38-42) que, estando Jesus em viagem, entrou numa aldeia, onde uma mulher, chamada Marta, o acolheu em sua casa. Enquanto ela preparava a comida para servir ao Mestre, sua irmã Maria se assentou aos Seus pés para aprender com Suas palavras. Marta então reclamou de Maria, que ao invés de ajudá-la no serviço, deixava-a trabalhando sozinha. Qual foi a resposta do divino Mestre? “Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; no entanto, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a boa parte, que não lhe será tirada.

Juliana, 

Ao ocupar-se com as coisas essenciais à sua salvação, de acordo com a nossa fé você se habilitou a receber o galardão que não lhe será tirado. As portas do céu se abram à sua chegada e os anjos de Deus a acolham na Sua glória!

27 comentários:

Francisco José dos Santos Braga (compositor, pianista, escritor, gerente do Blog do Braga e do Blog de São João del-Rei) disse...

Dirigindo-me à minha saudosa e dileta prima Juliana Braga Teixeira, no triste momento em que seu esquife era depositado na fria sepultura à frente da capela no cemitério de Nossa Senhora das Mercês, tive o desejo de que a tristeza daquele derradeiro cortejo não fosse maior do que a alegria de termos tido Juliana por amiga carinhosa e dedicada em nossa caminhada nesta terra.

Marinês Vilela Alves (fisioterapeuta em Divinópolis, especializada em trato tráqueo-pulmonar pós-cirúrgico) disse...

Com que sabedoria você soube descrever, diante de tão triste e emocionante momento, tais palavras de amor e admiração a sua querida prima juliana!
Me emocionei ao ler seu elogio a ela que soube muito bem cumprir sua missão de vida! Beijos a você, querido tio, e tia Rute.
Marinez Vilela Alves

Elizabeth Braga disse...

Querido Franz,
também me emocionei ao ler o elogio fúnebre à nossa querida Juliana tão bem escrito. Concordo com suas belas palavras. Sob a sua aparência humilde e introspectiva, brilhava uma personalidade marcante, uma força espiritual imensa.
Nunca vou me esquecer de seu carinho e atenção.
Ela vai fazer muita falta na família.
Um grande beijo,
Petete

Augusto Fidelis (poeta, escritor, promotor e gestor cultural e ex-presidente e membro da Academia Divinopolitana de Letras) disse...

Meus pêsames, Braga, que Deus conforte toda a família.

Abraço

Augusto Fidelis

Leandro (proprietário do Restaurante Dona Lucinha, de Belo Horizonte) disse...

Meus sentimentos, abraço, Leandro.

Carlos Fernando dos Santos Braga (administrador, funcionário da Casa da Moeda no Rio de Janeiro, cedido à UFSJ-Universidade Federal de São João del-Rei, e ex-Chefe de Gabinete do MARE-Ministério da Administração e Reforma do Estado em Brasília) disse...

Francisco,
Com muita sensibilidade, você conseguiu transmitir a verdade, não fez um elogio, provavelmente inspirado por Voltaire :
- "Deixem-se considerações aos vivos; aos mortos deve-se apenas a verdade".
A querida Juliana merece e mereceu todo nosso afeto e consideração.
Com toda certeza vela por nós neste momento.
Obrigado por suas palavras,
seu irmão Fernando Braga

Ju Oliveira disse...

Eu também me emocionei com suas palavras! Realmente Juliana era a pessoa que viveu em uma vida religiosa e tranquila e sempre contando com
Nossa Senhora do Carmo!

Ju Oliveira disse...

Eu também me emocionei com suas palavras! Realmente Juliana era a pessoa que viveu em uma vida religiosa e tranquila e sempre contando com
Nossa Senhora do Carmo!

Elizabeth dos Santos Braga (professora universitária, orientadora pedagógica, escritora e conferencista) disse...

Pois é, Francisco. Muito triste mesmo. Era muito jovem. É difícil de aceitar.
A Maria do Carmo me disse que ela era da idade do Fernando, ia fazer 64 em julho.
Você e a Rute estavam sempre presentes. Que bom que tiveram a oportunidade dessa convivência mais próxima! Nas minhas idas eu também sempre ia vê-la. Era uma pessoa muito especial, na sua introspecção. Muito atenciosa e abnegada.

Deus a tenha.
Um grande beijo, fiquem com Deus, Nossa Senhora do Carmo os console,
Beth

Dra. Luciane Jorge Alves (dentista são-joanense) disse...

Caro Francisco Braga,

Meus mais profundos sentimentos pela perda de ente querido: Juliana.

Abraço afetuoso,

Luciane Jorge Alves

Ruth do Nascimento Viegas (presidente do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de São João del-Rei) disse...

Prezado amigo,
Sinceros sentimentos pela grande perda.
Abraços
Ruth.

Pedro Paulo Torga da Silva (divulgador do Movimento dos Focolares) disse...

Francisco, obrigado por partilhar conosco este momento triste de família.
Faço minha essa oração de bênçãos: "Que o Senhor faça brilhar sobre ti, Juliana, a Sua face e se compadeça de ti. Que Ele volte para ti o Seu rosto e te dê a paz". Sim, Juliana, a paz que não conhece ocaso! Interceda por nós e nós, daqui, intercederemos com nossas orações, por ti.
Agradecidos pelo exemplo que nos deixa, rezemos unidos por Juliana e peçamos conforto para a sua família.
Abraços,
Pepê

Suzana Vilela Pardini Alves (normalista e estilista/modelista em confecção de lingerie) disse...

Que linda homenagem para a prima Juliana, demonstrando a pessoa dedicada que ela foi para com a família e a sociedade. Parabéns, Francisco.

Dra. Elizabeth dos Santos Braga (especialista e pós-doutorada em Educação e Vigotsky, pela Universidade de Oxford, e professora de pós-graduação da USP, conferencista) disse...

Sim, Francisco, Juliana deve estar leve e em bom lugar porque era muito boa. Como dizia o Manuel Bandeira num versinho:

"Irene, preta. Irene boa.
Irene sempre de bom humor.

Imagino Irene entrando no céu.
- Licença, meu branco.
E São Pedro, bonachão:
- Entra, Irene, você não precisa pedir licença."

Beijos,
Beth

Prof. José Lourenço Parreira (capitão do Exército, professor de música, violinista, compositor, maestro e escritor) disse...

Caríssimo amigo Francisco Braga, paz!

O Elogio Fúnebre por você elaborado com emocionante delicadeza e
sublime carinho por Juliana, sua querida prima,
em verdade é um testemunho sábio e eloquente: você não falou para o
inerte corpo, mas para aquela que parecendo morta,
estava viva, ouvindo-lhe a saudação. Assim escreve quem,
tendo o olhar voltado pra muito além do horizonte
deste mundo, enxerga a vida definitiva que nos foi prometida por
Cristo Jesus: Aquele que crer em Mim, viverá , ainda
que esteja morto. "Eu sou a Ressurreição e a Vida!"
Ao despedir-se do corpo, você testemunhou que Juliana está
viva no Senhor! Ao fazê-lo, Braga, o seu coração e dos demais
presentes, recebeu a luz do Infinito, essa Paz que o
mundo não conhece!

Márcia Valéria dos Santos (enfermeira e servidora do Grupo Escolar Maria Tereza) disse...

SÁBADO,EU E MINHA IRMÃ FOMOS VISITAR JULIANA. ELA NOS RECONHECEU, PEGOU EM NOSSAS MÃOS. MARTINHA DISSE QUE ELA NAO QUERIA ALIMENTAR-SE E CONVERSAR. ESTAVA RESPIRANDO COM DIFICULDADE, ASSIM COMO MINHA MÃE FICOU NO DIA QUE FALECEU. AÍ O CORAÇÃO NÃO DÁ CONTA...
EU E MINHA IRMÃ CONSIDERÁVAMOS JULIANA COMO UMA PRIMA DE SANGUE E MUITO QUERIDA. A MÃE E A TIA DELA (D.OLGA E MARIA) SEMPRE NOS TRATARAM COM MUITO CARINHO E CONSIDERAÇÃO. QUANDO MINHA MÃE FALECEU, JULIANA CONTINUOU NOS ENVIANDO FELICITAÇÕES DE FIM DE ANO. ESTOU SINCERAMENTE SENTIDA...

HOJE O CÉU GANHA MAIS UMA ESTRELA. DEUS A LEVOU PARA MORAR COM ELE: JULIANA BRAGA TEIXEIRA... HOJE ELA ESTÁ EM LUGAR MUITO MELHOR QUE ESTE MUNDO, ESTÁ AO LADO DO SENHOR, AO LADO DE SEUS PAIS (D.OLGA E SR.JÚLIO), DOS QUAIS CUIDOU COM CARINHO E ATENÇÃO DE FILHA ZELOSA ATÉ SEUS FINS. E COM CERTEZA NUNCA SERÁ ESQUECIDA POR SEUS AMIGOS E ENTES QUERIDOS. JULIANA,PRIMA DE CORAÇÃO MUITO QUERIDA, VÁ E DESCANSE EM PAZ.
MÁRCIA VALÉRIA

Marília Santos Ibanez (professora no Grupo Escolar Maria Tereza, pedagoga e orientadora pedagógica) disse...

Sabádo estive na Santa Casa para visitá-la. Ela estava no mesmo quarto onde a mãe ficou. Ela não estava bem,respirando com dificuldade. Sinto muito, pois gostava muito dela. Encontravámos todo sabádo na missa das 16h na igreja do Carmo.

Dr. Henryk Siewierski (polaco, tradutor poliglota, organizador de livro sobre Agostinho da Silva, professor do Departamento de Línguas da UnB) disse...

Caro Francisco,
Os nossos pêsames para você e a família.
Abraço amigo de
Małgorzata e Henryk Siewierski

Fernando Eduardo Lopes de Oliveira (analista ambiental do I.E.F.-Instituto Estadual de Floresta de Minas Gerais) disse...

Caro Primo,
Bom dia! É com grande felicidade que leio as suas belas e verdadeiras palavras tecidas para nossa querida ej á saudosa, a prima Juliana.
Agradeço de todo coração pelo conforto.
Abraços a todos. Fiquem na proteção de Deus!

Luzia Rachel dos Santos Braga (arquiteta, especializada em urbanismo, e funcionária da Prefeitura de Florianópolis) disse...

Bom dia, Francisco.
Suas palavras para a querida Juliana, num momento tão grave como o é a morte, foram muito inspiradas e demonstraram a essência de nossa prima. Com certeza, ela as ouviu e as levará com ela como bálsamo para sua Alma.
Abs,
Luzia Rachel

Auro Aparecido Maia de Andrade (Juiz de Direito, escritor e conferencista) disse...

Obrigado, caríssimo, estimado e especial amigo Prof. Braga, por sua costumeira atenção! O senhor, como sempre, é inspirado e movido pelos bons, retos e nobres propósitos, e esse fato - como sói acontecer - foi mais uma de suas valorosas atitudes. Obrigado, amigo estimado!

Abraços, fraternalmente,

Auro.

Maria do Carmo Lopes de Oliveira Braga (escritora e autora de "Anita, uma vida a serviço do amor" disse...

Francisco, meu prezado primo e cunhado,
Suas palavras a nossa querida prima Juliana me deixou emocionada. Como prima e amiga tive a honra de brincarmos juntas em nossa infância e depois de crescidas continuar gozando de sua atenção e carinho.
Você se referiu a ela com muita distinção, pois foi dessa forma a sua vida. Uma moça singular, educada, amiga e mais ainda possuía uma fé inabalável. Até os últimos momentos de sua vida, não deixou de assistir a Novena do Pai Eterno e, tenho certeza, estava entregando sua vida ao Pai.
Seu sentimento em relação a sua família era incondicional e não apenas aos pais e irmãos, mas aos tios, primos e demais familiares. Se orgulhava de ser afilhada de seu pai, meu tio e sogro, Roque da Fonseca Braga.
Por onde passou deixou a sua marca, o seu sentimento e a sua delicadeza.
Estou muito triste, mas agradecida a Deus de ter me dado a oportunidade de conviver com ela por tantos anos e ter usufruído desta tão insigne companhia em minha vida.
Parabéns, Francisco, você conseguiu nos emocionar com cada palavra escrita e tão bem declamada pela sua voz embargada no derradeiro momento de seu sepultamento, pois retratou, com tanto sentimento, a vida de nossa saudosa prima e amiga Juliana Braga Teixeira.
Maria do Carmo

João Carlos Ramos (poeta, escritor, gestor cultural, presidente da Academia Divinopolitana de Letras, Sócio Correspondente da Academia de Letras e do IHG de São João del-Rei e da Academia Lavrense de Letras) disse...

Acadêmico Francisco Braga,
Saudações em nome de Jesus Cristo!
Foi com pesar que recebi a notícia do falecimento de sua prima.
Eu não a conheci, porém, em se tratando de ser a amada prima de um homem tão íntegro como você, já merece minha consideração.
A vida é assim... Nascemos, crescemos e morremos!
O mais importante é o encontro com o doador da vida. Cada um que parte nos deixa uma lição de vida.
Tudo é transitório, principalmente o poder emprestado pelo Criador.

Felicidades ao ilustre casal!

Prof. Fernando Teixeira (professor universitário, escritor, poeta e Secretário Geral da Academia Divinopolitana de Letras) disse...

Belo texto,. Parabéns, Braga. Fernando Teixeira

Maria Elisa disse...

Minha irmã Luzia Rachel escreveu o seguinte texto a algumas amigas:
Queridas,
Minha prima faleceu nesta terça, dia 10, aos 63 anos em São João. Convivi com ela, apesar da distância, principalmente na infância e juventude em São João, tendo sido minha professora de matemática por um tempo no colégio das freiras; era uma pessoa especial. Todos nós sentimos muito e estamos bem tristes, principalmente sua família (outras 4 irmãs e sobrinhos, etc). Meu irmão Francisco falou as palavras abaixo no momento de seu sepultamento, e conseguiu descrever bem sua alma.
Abs,
Luzia Rachel

Em resposta, recebeu o seguinte e-mail que a impressionou vivamente e que me enviou para publicação:
Querida amiga minha, acabo de ler seu comunicado sobre a travessia do umbral realizada pela Juliana, tão próxima e dentro da sua biografia.. O elogio feito pelo Francisco honra muito bem os méritos da sua amada prima e descrevem o ciclo/círculo esmerado que ela encerrou nesta encarnação e o fez tão claramente que é como se eu a conhecesse também; por isso me uno aos que homenageiam sua existência. Que teu coração, minha Rachel, esteja calmo no superior entendimento que tens deste evento, e que acolhas a saudade dela como frutos de alguém cuja vida foi frondosa. Te abraço com muito carinho . Maria Elisa

Dr. Lúcio Flávio Baioneta (escritor, conferencista, proprietário da Análise Comercial Ltda em Belo Horizonte e colaborador do Blog de São João del-Rei) disse...

Meu prezado amigo FJSBraga, meus pêsames pelo falecimento da Juliana. Seu elogio fúnebre mostra a perda da esperança e a chegada da saudade.
Lucio Flavio

Nêudon Bosco Barbosa (jornalista, escritor, redator do JORNAL DE MINAS e da revista EM VOGA, membro do IHG e da Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

Caro amigo Braga,
Apresento-lhe meus sentimentos pelo falecimento de sua estimada prima Juliana. Rogo a Deus que a tenha em Sua Paz Eterna.
Tive dias tumultuados, minha irmã esteve internada, fui seu acompanhante e concluindo as tarefas da revista.
Abraço.
Paz Profunda!
Bosco.