segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

DISCURSO EM SAUDAÇÃO A FRANCISCO JOSÉ DOS SANTOS BRAGA


Por Ruy Franca *


Sr. Presidente da Academia Divinopolitana de Letras João Carlos Ramos,
Revmo. frei Joel Postma o.f.m., "manso e humilde de coração" e digno representante da liturgia católica em Divinópolis, em cujo nome cumprimento as demais autoridades civis e militares que compõem a Mesa,
Senhores e Senhoras,

Por determinação da Academia Divinopolitana de Letras coube-me saudar um são-joanense que toma posse nesse Sodalício, sucedendo ao Imortal Guilherme Sanches, na Cadeira nº 11, que tem como patrono Padre António Vieira.

Esta designação traz em seu bojo conotações que tocam em nossa memória e nossa alma.

Em São João del-Rei, meu avô, Antônio de Oliveira, deixou sua assinatura nas instalações da Estação Ferroviária, com as letras A e O, sobrepostas, em treliças por ele forjadas em ferro.

Em São João nasceu meu pai, José Cândido Franca de Oliveira, jogou futebol no Athletic, estudou no Colégio Santo Antônio, de onde se desligou por ser rebelde aos castigos violentos impostos pelos Franciscanos.

Pela generosidade dos são-joanenses, eu e minha esposa, Annita, fomos agraciados com a Comenda de Cidadão Honorário de São João del-Rei.

Saudar a Francisco José dos Santos Braga, um dos mais ilustres expoentes da cultura da terra de Tiradentes é mais um forte ponto que se acrescenta às nossas emoções, além da honra que significa.

Esta homenagem é fruto da admiração e o reconhecimento dos valores do nosso novo confrade. Mas também promove o fortalecimento de uma amizade entre nossa Academia e a de São João del-Rei.

Não é difícil imaginar o músico, escritor, jornalista, quando temos em mão seu currículo. Currículo que nos reporta a um discurso intitulado "MEU PROGRAMA ESTÁ NA MINHA VIDA", do notável brasileiro, Rui Barbosa.

Temos em mãos o perfil de quem sempre teve como ideal realizar, evoluir e promover a cultura em seu torrão natal, seja de moto próprio ou em parceria com importantes agentes políticos de nossa terra.

Mas o que nos vem à mente, também, são as lembranças que contam nossa história sobre São João del-Rei. Suas magníssimas Igrejas; o Córrego do Lenheiro com suas margens ajardinadas e suas pontes em admirável arquitetura; a lanchonete do Claudionor, ponto de reunião para nossos "bate-papos"; a Casa da Pedra; a arquitetura do Colégio Santo Antônio, hoje universidade, onde recebemos graduação, eu, minha esposa e minha filha.

É de um poeta e músico são-joanense uma referência histórica de quanto São João del-Rei é importante para nossa cultura.

Em seu livro "ECOS NA ETERNIDADE", Jorge C. Sade, Imortal da Academia de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei, em uma estrofe do poema MEU GRUPO QUERIDO (dedicado ao Grupo João dos Santos com amor e saudade, pp. 57-61), gravou: 

Se hoje,
nos meus cantos,
cantando eu te recordo
é revivendo a meninice
que a mocidade ardente
me roubou sem paixão.
E no fim da juventude,
quando a velhice me colher
sê tu, para mim,
o pálio dourado,
abrigo estrelado
de todos os ideais que me deste
com carinho e ardor... ¹

Não bastasse o rico currículo de jornalista e escritor, o Acadêmico que ora integra nossa Academia robustece laços de amizade que ligam a Academia de Letras de São João del-Rei à nossa Divinopolitana, com forte liame, por sua esposa Rute, cantora lírica e divinopolitana, da família Pardini.

E novamente nos valemos do talento do poeta e músico são-joanense, para mostrar um pouco do ambiente iluminado pela música que flui daquele Sodalício. É em Jorge C. Sade que buscamos o soneto A MÚSICA (p. 98):

Música é vida, ardor de uma paixão dourada,
a lágrima sutil de amarga solidão...
É o passado transposto ao presente, onde o nada
imola a dor na estéril voz de uma canção.

É divina arte no êxtase sem dimensão...
Adorável pulsar de uma alma torturada
que soluça, sorri e chora amargurada
de saudade sem fim no fim de uma ilusão!...

Música é o suave "som" em forma de poesia,
a ternura que chora em cadenciada fala,
eternizando em pauta a maga fantasia.

Música é um sonho feito "agora" de um porvir...
"O instante" transformado em infinita escala,
num sorriso da terra ao ver o céu sorrir!... ²

Toda Academia busca gerar ambiente para que seus integrantes encontrem condições de aproximarem-se da perfeição e da genialidade, em suas áreas de atuação. Em nossas Academias de Letras não é diferente. Quanto mais expressivos se mostrarem os acadêmicos, colocando a lume seus trabalhos e suas obras, mais rico se torna o ambiente.

Nosso novo Acadêmico isto faz com maestria. Seu currículo, além de Recitais onde se apresentou e se apresenta como pianista, é bastante intenso e longo, o que nos leva a destacar:
•  Licenciado em Letras na Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras de São João del-Rei;
•  Mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo;
•  Bacharel em Música pela UnB-Universidade de Brasília;
•  Consultor Legislativo do Senado Federal;
•  Auditor Fiscal de Tributos Federais e Chefe de Treinamento na Assessoria Especial de Modernização da Secretaria da Receita Federal, Ministério da Fazenda;
•  Autor e tradutor de vários livros publicados na área de Administração de Empresas;
•  Colaboração com artigos para o Jornal de Brasília e o Correio Braziliense e várias entidades da mídia nacional;
•  Gerente do Blog do Braga e Blog de São João del-Rei;
•  Participa, como membro, de várias instituições no exterior e nas Academias de Letras de São João del-Rei, Barbacena, Formiga, Lavras, Valença-RJ e Taguatinga-DF;
•  Secretário da Comenda da Liberdade e Cidadania em 2011. Por ocasião da comemoração do "Dia Nacional da Liberdade" foi agraciado com a referida Comenda em sua 1ª edição, nas ruínas da Fazenda do Pombal;
•  Agraciado com a Medalha do Mérito Cívico "Tomaz Antônio Gonzaga", concedida pela OCIM-Ordem dos Cavaleiros da Inconfidência Mineira, na Casa dos Contos, em Ouro Preto;
• Agraciado com a Medalha comemorativa dos "30 Anos da Academia de Letras de Brasília";
•  Agraciado com a Medalha "Frei Orlando - Patrono do SAREx (1913-2013)", concedida pelo CMO-Comando Militar do Oeste;
•  Diploma de Honra ao Mérito, concedido pela Câmara Municipal de São João del-Rei. 

Barack Obama, em seu discurso de posse, estabeleceu que ninguém deve falar mais que vinte minutos.

Creio que devo terminar.

Antes, porém, tentando justificar atitudes de todo aquele que busca a arte e o bem comum, é de José Ingenieros, filósofo portenho, quando se refere ao clima do gênio (p. 243), a assertiva de que: 
"Nenhum filósofo, estadista, sábio ou poeta, alcança genialidade, enquanto, em seu meio, sentir-se exótico ou inoportuno; necessita de condições favoráveis de tempo e de lugar, para que a sua aptidão se converta em função e marque uma época na história." ³

Caro confrade Francisco Braga,

A Academia Divinopolitana de Letras abre seus braços e coração para recebê-lo.

Que venha juntar-se a nós com seu talento e ideais para fortalecer a realização dos nossos.

Termino, citando novamente José Ingenieros, quando se refere à emoção do ideal (p. 13): 

"Quando orientas a proa visionária em direção a uma estrela, e desdobras as asas para atingir tal excelsitude inacessível, ansioso de perfeição rebelde à mediocridade, levas em ti o impulso misterioso de um ideal. É áscua sagrada, capaz de te preparar para grandes ações. Cuida-a bem; se a deixas apagar, jamais ela se reacenderá. Se ela morrer em ti, ficarás inerte: fria bazófia humana."

♧               ♧               ♧  

 
*  Discurso proferido pelo Acadêmico Ruy Franca, na solenidade de posse do músico e escritor Francisco José dos Santos Braga, na cadeira nº 11 da Academia Divinopolitana de Letras, patroneada pelo Pe. António Vieira. Pronunciado no dia 14 de dezembro de 2016 no plenário da Câmara Municipal de Divinópolis.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DAS CITAÇÕES



¹  SADE, Jorge C.: Ecos na EternidadeJuiz de Fora: Esdeva Empresa Gráfica Ltda, 1980, 119 p.

²  Idem: Imagens e Reflexos, Juiz de Fora: Esdeva Empresa Gráfica Ltda, 1973, 130 p.

³  INGENIEROS, José: O Homem Medíocre. Nova edição autorizada. Rio de Janeiro: Edições Spiker,  sem data, 276 p.

  Idem: O Homem Medíocre. Nova edição autorizada. Rio de Janeiro: Edições Spiker,  sem data, 276 p. 

7 comentários:

Francisco José dos Santos Braga (compositor, pianista, escritor, gerente do Blog do Braga e do Blog de São João del-Rei) disse...

Na noite do dia 14 de dezembro de 2016, tive a honra de ser saudado por RUY FRANCA, membro da Academia Divinopolitana de Letras, quando ocupei a cadeira nº 11 da referida Academia cujo patrono é padre António Vieira, figura ímpar das letras luso-brasileiras.
O Acadêmico Ruy Franca já escreveu dois livros e foi gerente da agência do Banco do Brasil de São João del-Rei, de 1975 a 1978.
Reproduzo aqui o discurso que foi pronunciado naquela noite memorável.

Prof. José Lourenço Parreira (capitão do Exército, professor de música, violinista, maestro e escritor) disse...

Caríssimo amigo, Braga, paz!

Já me faltam palavras para traduzir o sentimento de respeito, admiração e aplauso pelo sua robusta atuação nas páginas da Cultura das Alterosas, da querida São João...

Gigante nas letras e na arte musical, você, iluminado pelo Altíssimo, ilumina a todos com que tem contato.

A saudação que lhe foi dirigida bem confirma minhas palavras!

Dr. Mário Pellegrini Cupello (escritor, pesquisador, presidente do Instituto Cultural Visconde do Rio Preto de Valença-RJ, e sócio correspondente do IHG e Academia de Letras de São João del-Rei) disse...

Caro amigo Braga

Agradecemos pelo envio, ao tempo em que mais uma vez felicitamos ao ilustre amigo pelo acesso à Academia Divinopolitana de Letras.

Com um abraço fraterno,

O amigo Mario.

Hélio Petrus (escultor marianense, ex-prefeito de Mariana e poeta) disse...

O ilustre acadêmico recepiendo Ruy Franca enalteceu brilhantemente, com sua oratória, as virtudes humanas e intelectuais do novel recepiendário à Academia Divinopolitana de Letras, o dileto amigo Francisco Braga.
Desejo que este continue cada vez mais multiplicando os talentos que Deus lhe concedeu, através do gênio criativo que a todos nos encanta e deleita.
Hélio Petrus.

Ex-Alunos de Dom Bosco - FEDERAÇÃO INSPETORIAL-ISJB disse...

É Franscisqº
Sempre me impressionando.

Ozório Couto (jornalista, editor da revista Leitura, publicação da Associação dos Lojistas de BH, escritor e membro do IHGMG) disse...

Parabéns, caro confrade. Tudo muito bom. Abraços. Ozório Couto

Dr. Eduardo Lopes de Oliveira (advogado do escritório PMRAF Advogados em Belo Horizonte) disse...

Francisco José,

Parabenizamos você pela ocupação da cadeira n. 11 da Academia Divinopolitana de Letras, cujo patrono é o insigne Padre Antônio Vieira.

Aproveitando, desejamos-lhe - e à Rute - Feliz Natal e prosperidade no Ano Novo. Votos extensivos a toda a família Tio Roque/Celina Braga.

Eduardo/Maria José.